Publicidade
Cotidiano
Notícias

Adolescente é queimada com cigarro de maconha pelo companheiro em Manaus

A violência doméstica aconteceu na própria casa do casal. “Ele chegou alterado e começou a queimar minhas mãos e a morder meus braços. Depois, começou a me bater por todo o corpo”, disse a jovem, quando saía do hospital e pronto-socorro João Lúcio, Zona Leste de Manaus 02/01/2012 às 18:17
Show 1
A jovem foi agredida e queimada pelo marido. Ambos tem 17 anos.
Milton Oliveira Manaus

Uma adolescente teve as mãos queimadas com cigarro de maconha, foi espancada e torturada pelo companheiro, que também é adolescente e usuário de drogas, na manhã desta segunda-feira (2), no Grande Vitória, Zona Leste de Manaus. Nesta tarde, por volta das 15h30 ela foi atendida no hospital João Lúcio, Zona Leste, e em seguida liberada.

A violência doméstica aconteceu na própria casa do casal. “Ele chegou alterado e começou a queimar minhas mãos e a morder meus braços. Depois, começou a me bater por todo o corpo”, disse a jovem, quando saía do hospital e pronto-socorro João Lúcio, Zona Leste de Manaus.

O marido é usuário de drogas e suspeito de vender entorpecentes na própria residência do casal.

“Eles moravam comigo em uma casa que eu construi para os dois, no Zumbi III. Mas eu comecei a suspeitar que meu genro vendia drogas na minha própria casa, porque muita gente vinha perguntar por ele e saía do meu quintal com pequenos embrulhos”, disse o pai da vítima que preferiu não se identificar.

O pai da adolescente contou que “a gota d´água” foi quando viu o seu neto de um ano de idade, filho do casal, brincando com uma arma de fogo.

“Meu genro colocou um revolver com uma bala, na mão do meu neto e brincava de roleta russa”, disse.

Ainda conforme o pai da vítima, a partir desse fato o genro foi expulso da casa e a filha decidiu acompanhar o marido, e eles foram viver no Grande Vitória, onde aconteceu a violência doméstica. A criança ficou com o avô.

No hospital, a jovem afirmou que seu marido é usuário de drogas e que tinha um ponto de vendas no bairro.

“Eu gosto dele, mas não gosto da forma como ele me trata e nem do vício de consumir drogas”, disse a adolescente depois de ser atendida.

Ao ser questionada se denunciaria o marido, a jovem se calou e preferiu não falar nada.