Publicidade
Cotidiano
Notícias

ALE gastará mais de R$ 1 milhão em processo de digitalização

De acordo com o diretor-geral o trabalho segue os padrões sugeridos pelo Conarq, do qual a Assembleia Legislativa é um dos três órgãos do Amazonas cadastrados 08/09/2012 às 08:19
Show 1
Projeto implantado na gestão de Ricardo Nicolau visa reduzir custos com papel e tinta
Augusto Costa ---

A Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) gastará até o final deste ano R$ 1,2 milhão no processo de digitalização de todo o seu acervo documental. Os trabalhos, que começaram no fim do mês de agosto, estão sendo realizados pela empresa MBX Tecnologia e Inovação, vencedora do pregão presencial nº 019/2012 e por um grupo de servidores da Gerência de Arquivo da casa legislativa.

Antes da digitalização, cada documento recebe higienização (química e mecânica) e, após procedimentos, é armazenado seguindo as normas do Conselho Nacional de Arquivos (Conarq). Segundo o diretor geral da ALE-AM, Wander Mota, existem arquivos públicos datados de 1940 até hoje que passarão a compor uma plataforma virtual no site www.aleam.gov.br no acervo digital on-line.

Wander Mota disse que a expectativa é que a Assembleia Legislativa esteja 100% digital até o final do ano. “A previsão é que até o final do ano sejam digitalizados mais de um milhão de documentos entre administrativos, legislativo e do departamento pessoal. Foi uma empresa de Manaus (MBX Tecnologia e Inovação) que ganhou o processo de licitação. Está sendo cobrado uma média de R$ 0,50 por página digitalizada. A empresa vai receber pela quantidade de documentos digitalizados. No total, deve ser gasto até o final do ano R$ 1,2 milhão com essas digitalizações”, afirmou Wander Mota.

Descarte de material

De acordo com o diretor-geral o trabalho segue os padrões sugeridos pelo Conarq, do qual a Assembleia Legislativa é um dos três órgãos do Amazonas cadastrados. Ele adiantou que está sendo formada uma comissão que vai atuar depois da Semana da Pátria, formada por procuradores e outros funcionários da casa para decidir quais os documentos que podem ser descartados. 

“Vamos montar uma comissão composta de procuradores para avaliar o que podemos descartar sem precisar digitalizar. A ALE-AM está cadastrada no Conarq e por isso temos que respeitar as normas definidas para os órgãos públicos. O conteúdo do acervo virtual será integrado ao novo software (sistema de gestão integrado) adquirido pela casa este ano. Com a digitalização a Assembleia  reduzirá o uso de papel, tinta e energia elétrica com a diminuição de documentos impressos”, disse Wander Mota.