Publicidade
Cotidiano
Notícias

Alugueis terão reajuste em 2013

Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) fecha a 7,82% ao ano e 0,68% em dezembro, dando largada ao período de ajustes de contratos de locação 28/12/2012 às 12:05
Show 1
Com mercado imobiliário em expansão na cidade, oferta e procura por locações tem sido alta, segundo o Creci-AM
Cinthia Guimarães ---

O consumidor já pode preparar o bolso para novos reajustes de serviços a partir de janeiro, tal como o aluguel, com o fechamento de 7,82% do Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado como referência na maioria dos contratos de aluguel. O IGP-M acelerou em dezembro para 0,68%, ante variação de -0,03% em novembro, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Com o resultado do mês, o índice fecha o ano em 7,82% em 2012, acima do registrado em 2011, quando a variação foi de 5,10%.

No entanto, a aceleração do IGP-M não é o principal componente dessa equação na hora de reajustar os valores dos contratos dos alugueis em Manaus, segundo o vice-presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Amazonas (Creci-AM), Paulo Mota. O que mais se leva em consideração, segundo ele, é a valorização da área onde está localizado o imóvel e a lei da oferta e procura. “O que faz valorizar a locação é a demanda e a oferta. O mercado de terceiros está aquecido, com a copa (mundial de futebol de 2014), crescimento do distrito (industrial)”, ponderou.

Mota ressalva que o mercado de alugueis em Manaus não sofre grandes oscilações de preços por temporadas ou férias, já que não somos uma região turística. “Não tem época mais cara, porque não temos litoral, não temos grande movimentação turística”.

Segundo a presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis (Sindimoveis), Jane Farias, mesmo com a alta do IGP-M, em regra, o cliente costuma negociar o reajuste com o proprietário do imóvel, se ficar acima do valor do mercado. “Normalmente o proprietário negocia se você for um bom cliente. Para o proprietário, ter um bom cliente é melhor do que ter um outro com a inadimplência no futuro”, explicou

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).