Publicidade
Cotidiano
Cotidiano, Política, AM-070, Amazonas Energia, Seinfra, Interior, Manacapuru, Novo Airão, Iranduba

Ampliação de rodovia no interior do Amazonas gera desperdício de verba pública

Duplicação da AM-070 provocará prejuízos aos cofres públicos pela falta de sintonia entre os três níveis de governo 18/03/2012 às 11:13
Show 1
Projeto de revitalização do balneário do Miriti consumiu R$ 3,8 milhões e só teve 73% da estrutura construída
Lúcio Pinheiro Manacapuru

Orçada em R$ 236 milhões, a obra de duplicação da rodovia AM-070 -  que liga Manaus aos municipios de Manacapuru, e parte de iranduba e Novo Airão -, acarretará desperdício de dinheiro público, pela falta de sintonia entre órgãos dos Governos Federal, Estadual e da Prefeitura de Manacapuru – município situado a 84 quilômetros da capiutal.

Na mesma estrada, a Eletrobras Amazonas Energia está gastando  R$ 5,5 milhões para reconstruir uma rede elétrica de alta tensão.

A estrutura fazia parte do projeto de uma usina para queimar cavacos (pedaços de madeiras retirados da floresta), em Manacapuru, que custou US$ 30 milhões, no início da década de 1980, e foi depredada sem sequer operar.

A reportagem de A CRÍTICA percorreu a AM-070, e constatou que, em alguns trechos, os postes da rede de alta tensão que estão recebendo novo cabeamento, porque o anterior foi roubado,  assim como os da rede de média tensão, estão a menos de cinco metros da pista.

A ampliação da largura da estrada forçará a retirada de muitos dos postes que, atualmente, recebem manutenção da Eletrobras, o que acarretará novo gasto.

Outro projeto existente na AM-070 que vai resultar em desperdício de dinheiro público com a duplicação da estrada é a revitalização do Balneário do Miriti. A obra será  parcialmente  “enterrada” pelo alargamento da rodovia. Iniciado em 2008, na administração do ex-prefeito Washington Régis (PMDB), o serviço custou R$ 3,9 milhões,

O Governo Federal já liberou R$ 3,8 milhões, mas apenas 73,3% do empreendimento foram concluídos, segundo dados da Caixa Econômica Federal (CEF). O  projeto está paralisado. E era composto de quatro praias elevadas, protegidas por muros de  contensão em forma de escadaria. Somente duas delas, no lado direito da pista no sentido Cacau Pirera-Manacapuru,  foram construídas.  As outras duas possuem apenas o início da estrutura de concreto.  Com a duplicação da estrada, parte do que foi construído no balneário Miriti, que receberá outra ponte, será soterrado.

A falta de planejamento conjunto fica evidente quando se leva em conta que, em 2008, o governo estadual cogitava  duplicar a rodovia.  

Na última sexta-feira (16), a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Infraestrutura (Seinfra) informou que não dispunha de mapas do projeto que mostrassem em qual lado da estrada será realizada a duplicação na AM-070. 

A assessoria da Seinfra indicou que algumas das decisões relativas ao lado em que a pista será duplicada “serão definidas de acordo com o andamento da obra, embora já se tenha pré-definição de alguns pontos”.

O engenheiro da Intec, Thiago Muniz, responsável pelo serviço na rede de alta tensão da AM-070, afirmou que apenas alguns postes localizados no perímetro urbano de Manacapuru, serão reposicionados.

“Na estrada não será nenhum. Se o Governo achar que vai ter que mudar a posição dos postes depois que iniciar a duplicação da estrada, vai ter que pagar novamente”, disse Muniz.

Empréstimo
O Banco de Desenvolvimento Econômico e Social emprestará R$ 164 milhões ao Governo do Amazonas para a obra da AM-070. A autorização para o pedido de empréstimo foi aprovada em 2011.

Detalhes da ampliação
A assessoria de imprensa da Seinfra informou que a duplicação da AM-070 se estenderá de Iranduba (a 25 quilômetros de Manaus) até a entrada do Município de Novo Airão (115 quilômetros distante de Manaus), totalizando 78 quilômetros. Deste ponto até Manacapuru a pista já foi duplicada.

As duas pistas terão 7,1 metros de largura, com acostamento e drenagem de 2,3 metros de cada lado. A largura total da estrada chegará a 18,8 metros. A Seinfra confirma que a ponte do rio Miriti - assim como a do rio Ariaú - será duplicada.

Ainda segundo a assessoria  da Seinfra, a duplicação da AM-070 atenderá melhor ao fluxo de veículos crescente na região, após a inauguração da ponte Rio Negro, em outubro de 2011.

Prejuízo no ‘Luz Para Todos’
A assessoria da Eletrobras Amazonas Energia informou que, do km 2 até o km 79, 502 postes da rede de média tensão serão removidos das posições atuais por conta da duplicação da AM-070.

A rede foi construída pelo Programa “Luz Para Todos”, no valor de R$ 5,5 milhões, entre janeiro de 2010 e junho de 2011. Segundo a assessoria, a Eletrobras Amazonas Energia e a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) ainda discutem sobre quem vai pagar os custos com as remoções dos postes.

A Eletrobras  informou também que, em reunião com a Seinfra, foi acordado que as obras (de duplicação da AM-070) não impactarão no traçado da linha de alta tensão. Portanto, não haverá necessidade de deslocamento das estruturas existentes.

Linha vai ser preservada
O diretor de geração e operação para o interior do Estado da Eletrobras Amazonas Energia, Radyr Gomes de Oliveira, garantiu que, apesar de  alguns dos postes da rede de Alta Tensão estarem, hoje, a cinco metros da estrada, eles não terão suas posições alteradas mais tarde por causa da duplicação.

“O projeto do Governo do Estado preservou essa linha”, disse.

Segundo ele,  não há mais risco dos cabos da rede de alta tensão serem roubados.

“A rede vai ser energizada. E a estrada está bem mais habitada do que na década de 80”, defendeu.

A rede de 69 KV integrará o sistema de abastecimento de Iranduba a Manacapuru. Uma usina termelétrica está sendo construída no bairro Novo Manacá, em Manacapuru.