Publicidade
Cotidiano
CAMPEÃO

Arthur Bisneto é o deputado federal mais faltoso do Amazonas entre 2015 e 2017

Em 2017, até a licença para ocupar a Casa Civil da PMM, ocorreram 76 sessões e Arthur Bisneto só marcou presença em 30 delas (39,5%) 24/09/2017 às 20:29 - Atualizado em 25/09/2017 às 08:38
Show artur bisneto foto psdb na camara
O deputado federal mais votado foi, também, o mais faltoso (Foto: Ag. Câmara)
Antônio Paulo Brasília (DF) - Sucursal

Os motivos que levaram o deputado federal Arthur Virgílio Bisneto (PSDB-AM), o mais votado nas eleições de 2014 (250,9 mil votos), a trocar a Câmara dos Deputados pela Casa Civil da Prefeitura de Manaus ainda não foram devidamente explicados ao eleitor. Mas, o alto índice de ausências do parlamentar, nesses dois anos e nove meses de mandato, pode indicar que ele não estava muito interessado em cumprir a tarefa outorgada pela população amazonense.

De acordo com os dados abertos da Câmara, em 295 sessões deliberativas, realizadas entre 2 de fevereiro de 2015 até 12 de setembro de 2017, – data que se licenciou do mandato – Arthur Bisneto deixou de comparecer a 90 sessões em plenário (30,5%), computando as ausências justificadas e as não justificadas. Dentre os oito membros da bancada amazonense, o tucano é, de longe, o deputado que mais faltou às votações.

Em 2017, até a licença para ocupar a Casa Civil da PMM, ocorreram 76 sessões e Arthur Bisneto só marcou presença em 30 delas (39,5%). O Portal da Transparência da Câmara dos Deputados mostra que o parlamentar teve 23 ausências justificadas e outras 23 não justificadas, um total de 46 faltas (60,6%). Nessa contagem, estão os três períodos de licença médica em que o deputado ficou afastado da atuação legislativa. A primeira ocorreu logo no início do ano: 7 a 21 de fevereiro; entre 24 a 31 de maio, a segunda, e a terceira licença, do dia 8 a 21 de agosto. 

No ranking dos “faltosos”, seguem os deputados Átila Lins (PSD-AM), com 49 presenças e 31 ausências, das 80 sessões deliberativas de 2017; Sabino Castelo Branco (PTB-AM) – de licença médica desde 14 de agosto – tem 56 presenças, 24 ausências e Silas Câmara (PRB-AM), que esteve presente em 61 sessões e faltou a 19 delas. As ausências não justificadas são descontadas nos salários dos deputados.

Assiduidade

Ao contrário dos que encabeçam o ranking dos mais ausentes de votações em plenário,  quatro deputados federais da bancada amazonense se destacam em presenças, sendo dois deles estreantes no mandato federal: Conceição Sampaio (PP-AM) tem 100% de assiduidade, frequentou as 80 sessões deliberativas deste ano. Em segundo lugar, figura o deputado Hissa Abrahão (PDT-AM), com 92,5% de presença (74), três ausências justificadas e três sem justificativas. O veterano Pauderney Avelino (DEM-AM), que está no sexto mandato de deputado federal, ocupa a terceira posição entre os mais frequentadores do plenário da Câmara. Nesses nove meses de 2017, o democrata registrou 73 presenças (91,3%), com seis faltas justificadas e uma não justificada. O quarto da lista dos assíduos é Alfredo Nascimento (PR-AM): 85% de presença em plenário e somente 15% de ausências.  

Verba já passa de R$ 2 milhões

Entre janeiro e setembro de 2017, os oito deputados federais do Amazonas já consumiram R$ 2.315.730,43 da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), a chamada “verba indenizatória”. Cada deputado do Amazonas tem direito a usar a Ceap no valor R$ 43.570,12 por mês (R$ 522,8 mil/ano) para cobrir gastos com passagens, aluguel de escritórios e divulgação do mandato entre outros serviços previstos no Ato da Mesa nº 43/2009. 

O deputado Silas Câmara (PRB-AM) foi o que mais utilizou o recurso nesses nove meses: R$ 373,1 mil. Os maiores gastos do parlamentar foram com divulgação da atividade parlamentar: R$ 207,5 mil em produção de vídeos, jornais impressos e comunicação nas redes sociais; e R$ 84.750 com locação e fretamento de aeronaves. 

O segundo do ranking dos mais “gastadores” da bancada vem Átila Lins que também tem bases eleitorais no interior. Nesses nove meses de 2017, o parlamentar utilizou R$ 366 mil da Ceap, sendo R$ 221,5 mil somente com frete de avião. 

Seguindo a lista, vem Hissa Abrahão (R$ 363,7 mil), Alfredo Nascimento (R$ 321,1 mil), Arthur Bisneto (R$ 318,9 mil), Conceição Sampaio (R$ 241,1 mil) e Pauderney Avelino (R$ 241 mil). Sabino Castelo Branco, que assumiu o mandato em 1º de janeiro de 2017, no lugar de Marcos Rotta, só gastou R$ 90.515,11 da verba indenizatória. Nessas despesas, estão incluídas as passagens aéreas no trecho Manaus-Brasília-Manaus ou para outro estado. 

Os parlamentares têm até 90 dias, após o fornecimento do produto ou prestação do serviço, para apresentar a documentação que comprove o gasto necessário ao reembolso.