Publicidade
Cotidiano
Artur censura Braga

Prefeito Artur Neto diz que Eduardo Braga 'é veterano' em casos de corrupção

O prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), afirmou, ontem, que o senador Eduardo Braga (PMDB) “é veterano” em casos de corrupção. Enquanto o senador Omar Aziz (PSD), por ser citado pela primeira vez, merece o “benefício da dúvida”. 16/05/2016 às 23:48 - Atualizado em 17/05/2016 às 10:11
Show artur e braga
A declaração de Artur ocorreu dois dias após a divulgação de que Braga e Omar teriam recebido pelo menos R$ 38 milhões em propina da construtora Andrade Gutierrez.
Janaína Andrade Manaus (AM)

O prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), afirmou, ontem, que o senador Eduardo Braga (PMDB) “é veterano” em casos de corrupção. Enquanto o senador Omar Aziz (PSD), por ser citado pela primeira vez, merece o “benefício da dúvida”. A declaração de Artur ocorreu dois dias após a divulgação de que Braga e Omar teriam recebido pelo menos R$ 38 milhões em propina da construtora Andrade Gutierrez.

Os ex-governadores e atuais senadores do Amazonas Eduardo Braga (PMDB) e Omar Aziz (PSD) foram citados na delação premiada de ex-executivos da empreiteira Andrade Gutierrez nas investigações da Operação Lava Jato.

“Só registro que no currículo dos dois, um passou no governo (do Estado) sem nenhum escândalo e pela primeira vez é acusado disso, o outro, pelo amor de Deus, é veterano. Então ao Omar eu dou todo o benefício da dúvida que ele merece, ele vai se defender no Senado. E até ao outro eu dou o benefício da dúvida, porque ele foi acusado e não foi condenado. continuo mantendo a confiança de que o Omar vai saber se explicar muito bem”, avaliou Artur.

As informações da delação foram divulgadas no sábado (14) pelo Jornal Hoje, da TV Globo. Segundo a reportagem, os delatores são os executivos da Andrade Clóvis Peixoto Primo e Rogério Nora de Sá, os mesmos que revelaram pagamento de propina ao ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB) em obras no Estado sede das Olimpíadas.

Os dois ex-executivos da Andrade disseram que a empreiteira tinha informações privilegiadas do Governo do Amazonas para conseguir vencer licitações de obras no Estado, como a concorrência para construir o estádio Arena da Amazônia, palco da Copa do Mundo do Brasil 2014.

Na delação, o ex-governador e atual senador Eduardo Braga – ex-ministro de Minas e Energia da presidente Dilma Rousseff – teria recebido entre R$ 20 e R$ 30 milhões em propina, segundo estimativa feita pelo ex-executivo Rogério Nora de Sá. Segundo ele, havia uma combinação entre Braga e a construtora para o repasse de 10% sobre o valor de cada obra, esquema que durou oito anos.

Já sobre o ex-governador e senador Omar Aziz – que também foi vice durante a gestão Braga –, os delatores informaram que o político recebeu cerca de R$ 18 milhões em propina da Andrade Gutierrez, pagamentos feitos pelo menos até setembro de 2011.

Procurado pela reportagem para comentar a declaração do prefeito Artur Neto, a assessoria de comunicação do senador Eduardo Braga, em Brasília e em Manaus, afirmou que ele “continua de licença médica”. No sábado, o senador se disse indignado e classificou como “absurda” o conteúdo da delação dos ex-executivos da construtora.

Prefeito defende escolha de ministros

O prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB) defendeu a nomeação dos sete ministros do governo do presidente em exercício Michel Temer, investigados pela Operação Lava Jato.

“Ele (Michel Temer) apostou na inocência dos ministros. A citação de alguém não significa culpa, não significa que foi indiciado, temos que aguardar”, analisou o prefeito.

A decisão de Temer dá fora privilegiado aos sete ministros. “No momento eu tenho uma boa expectativa em relação a este governo. Estou torcendo por ele e espero que tomem as medidas econômicas necessárias para tirar o Brasil do atoleiro”, disse Artur.

A declaração de Artur Neto foi dada ontem, após coletiva sobre a greve dos motoristas do transporte coletivo, na sede da Prefeitura, localizada na avenida Brasil, bairro Compensa, zona Oeste.