Publicidade
Cotidiano
Notícias

Audiência Pública discute código de edificações do Plano Diretor de Manaus

O encontro promovido pela subcomissão do Código de Obras e Edificações ligada ao grupo de trabalho do Plano Diretor,  debateu o crescimento da cidade,  padronização das edificações, revitalização  e mobilidade urbana do centro. 17/08/2012 às 12:00
Show 1
Participantes defenderam a necessidade de melhorar a mobilidade urbana no centro
acritica.com ---

A subcomissão do código de obras e edificações do grupo de trabalho do Plano Diretor de Manaus (PDM), realizou, na tarde desta quinta-feira (16) audiência pública para discutir com representantes dos segmentos da Arquitetura, Construção Civil e Comércio, propostas de alteração da lei N° 673, de 04 de Novembro de 2002 que corresponde ao Código de Obras e Edificações do Município.

Durante reunião foram apresentadas emendas ao projeto do novo Plano Diretor de Manaus (PDM) entregue ao legislativo no último mês de Abril pelo diretor-presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Manoel Ribeiro.

As discussões na audiência não se resumiram apenas no crescimento da cidade, mas na organização do que já existe. De acordo com a representante do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon), arquiteta Cristiane Souto Maior, a instituição apresentou emendas que correspondem desde o gabarito (que determina a altura e a largura das edificações), assim como os limites das novas vias que futuramente devem ser construídas para mobilidade urbana de Manaus.

 “O Plano Diretor traz uma medida que não pretende derrubar o que já existe, mas organizar, a fim de que as edificações estejam correspondentes ao padrão, como limite para calçadas e construção de janelas que não prejudiquem a privacidade do vizinho”.

Outra questão suscitada pelos participantes foi a situação da revitalização do Centro de Manaus. Segundo o presidente da Associação Comercial do Amazonas (ACA), Ataliba David, os lojistas do local foram muito prejudicados com a intervenção das ruas devido a grande cheia é preciso melhorar a mobilidade urbana do centro. “Temos que criar locais destinados à coleta seletiva do lixo, para que as pilhas de caixas deixadas pelos lojistas após o dia inteiro de expediente não aconteçam mais".

Ainda em relação ao centro um dos maiores problemas para modernização do local, são os prédios históricos. Segundo a representante do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), arquiteta Márcia Honda, essas edificações estão em processo de tombamento e, por isso, não podem ser modificados, impedindo obras como o "Camelódromo". De acordo com Márcia "o Iphan está analisando os processos e logo apresentará definições para serem apreciadas pelos membros da subcomissão de obras e edificações da Câmara".

O presidente da subcomissão de obras e edificações da comissão do PDM, vereador Leonel Feitosa (PSD) disse que o grupo vai reunir e analisar todas as propostas apresentadas pelas instituições participantes e no dia 30 de Agosto as emendas deverão ser debatidas em uma nova Audiência Pública.


Com informações da assessoria de comunicação da CMM