Publicidade
Cotidiano
MATANÇA DO BOI

Boi Garantido encerra os festejos do ano com a matança na Baixa do São José

Os versos da matança foram criados quando Lindolfo tinha 17 anos. As toadas são narrações da história contada no auto do Boi 18/07/2017 às 15:58
Show  ndice
Gabriel Ferreira - Especial para A CRÍTICA

A tradicional matança do Boi Garantido movimentou a Baixa do São José, na noite desta segunda-feira (17), no antigo curral Lindolfo Monteverde. O evento encerrou o calendário vermelho e branco na cidade de Parintins, distante 369 km de Manaus. A festividade marca os 97 anos de tradição da matança, que é representada no auto do Boi. No festejo é narrada a morte do boi pelas mãos de Pai Francisco, que para saciar o desejo da mulher grávida, arrancar a língua do animal.

As toadas antológicas composta por Lindolfo Monteverde e seus familiares foram conduzidas pelo ritmo da batucada,que saiu pelas ruas do Bairro de São José para marcar a morte do Boi Garantido.

A filha do fundador do bumbá, Maria do Carmo Monte Verde falou sobre essa história que representa parte da Cultura parintinense. “Aqui no curral, onde nasceu o Garantido nos saímos e damos uma volta na cidade e voltamos pra fazer a matança. Nós cantamos as toadas feitas pelo meu pai e pelos meus avós. Uma das músicas que nós cantamos é: Vem cá santinha, vem cá, vem vê, Boi garantido já vai morrer, e também tem os versos que são tirados no meio da matança", disse.

Um dos responsáveis pela confecção do Boi para matança é Alcinelson Neves. O artista contou que a “piririma”, palha verde amarrada ao chifre do Boi, representa o momento em que os vaqueiros da fazenda o capturam na mata e levam para o abate.

Alcinelson disse ainda que participa desta brincadeira desde os 12 anos e também evolui como tripa no dias de São João, quando Garantido sai nas ruas para dançar em volta das fogueiras e pedir a bênção para o Festival Folclórico.

Madrugada adentro, a batucada e os vaqueiros saúdam a morte do Boi, até o momento da sua ressurreição,uma tradição emocionante que perdura por anos na Baixa do São José.

Publicidade
Publicidade