Publicidade
Cotidiano
Notícias

Brad Pitt reina em Cannes na pele de um assassino de aluguel

Pitt, 48 anos, com terno claro, óculos escuros, cavanhaque e seus cabelos loiros soltos até os ombros, atraiu os holofotes de Cannes, onde chegou sem a sua noiva Angelina Jolie, que não pode vir a este balneário 22/05/2012 às 16:46
Show 1
O ator Brad Pitt durante apresentação do filme "Killing them Softly", que está na competição oficial do Festival de Cannes 2012 (22/5/12)
AFP ---

O astro de Hollywood Brad Pitt chegou nesta terça-feira (22) a Cannes na pele de um assassino que quer "matar suavemente" no thriller violento e cínico "Killing Them Softly", do australiano Andrew Dominik, na disputa pela Palma de Ouro.

Pitt, 48 anos, com terno claro, óculos escuros, cavanhaque e seus cabelos loiros soltos até os ombros, atraiu os holofotes de Cannes, onde chegou sem a sua noiva Angelina Jolie, que não pode vir a este balneário na Riviera francesa, porque está "preparando seu novo filme".

Além de interpretar um assassino de aluguel, Pitt é o produtor deste filme ultraviolento, que conta a história de um acerto de contas entre mafiosos, tendo a crise financeira como pano de fundo, assim como as últimas eleições americanas que levaram Barack Obama à Casa Branca.

O filme, um dos quatro longas-metragens americanos que disputam a Palma de Ouro, é uma adaptação atualizada do romance "Cogan's Trade", publicado há 40 anos por George V. Higgins.

Questionados sobre a violência do filme, Pitt e Dominik, que já havia dirigido o ator em "O assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford" (2007), ressaltaram que o filme, ambientado em 2008, retrata a realidade que nos rodeia, "centrada em fazer dinheiro".

"Vivemos em um mundo de violência e a violência tem que ser filmada. Não me choca", declarou o ator, observando que também não fica assustado em interpretar um assassino.

"Prefiro interpretar um assassino do que um racista", disse Pitt, que divide as cenas com um elenco cheio de testosterona: Ray Liotta, James Gandolfini ("Família Soprano"), Sam Shepard, e o australiano Ben Mendelsohn.

Pitt, que no ano passado foi a Cannes com "A árvore da vida", de Terence Malick, que conquistou a Palma de Ouro, e em 2009 com "Bastardos Inglórios", explicou que produziu esse filme porque quer "ajudar a fazer filmes que dizem algo sobre quem somos, sobre o mundo em que vivemos".

Seu personagem, Cogan, que "se esforça para não fazer suas vítimas sofrerem", daí o título do filme, faz declarações de impacto, como a de que os Estados Unidos "não são um país, são um negócio".

O cineasta, que filma a violência de forma estilizada, destacou que este trabalho, como outros do gênero, fala da "sociedade em que vivemos e do capitalismo".

"Eu sempre acreditei que os filmes de crime falam, na verdade, do capitalismo. É um gênero baseado na motivação de todos os personagens em ganhar dinheiro", insistiu Dominik.

Na coletiva de imprensa, Pitt também negou os rumores de que ele e Angelina Jolie já definiram uma data para seu casamento.

"Não, não é verdade que já temos uma data" para o casamento, disse o ator, que causou grande decepção entre os centenas de paparazzi que cobrem o festival ao anunciar que não estará acompanhado de Jolie quando pisar nesta terça-feira à noite no tapete vermelho do Palácio dos Festivais para a estréia de "Killing Them Softly".

Pitt explicou que ele e Jolie, cujo noivado foi anunciado em abril passado, adorariam trabalhar juntos novamente em um filme.

Jolie, 36 anos, e Pitt se conheceram durante as filmagens de "Sr. e Sra. Smith", em 2005, quando o ator ainda era casado com a atriz de "Friends", Jennifer Aniston.

O casal tornou público o seu relacionamento no início de 2006 e tem seis filhos: Maddox, 10 anos, Pax, 8 anos, Zahara, 7, Shiloh, 5 e os gêmeos Knox e Vivienne, 3 anos.