Publicidade
Cotidiano
Cadeirante ouvido

Cadeirante suspeito de participar de assalto a caixa eletrônico do DB é ouvido e solto

Na casa de Claudemir estava o material usado na explosão dentro do supermercado, de onde teriam sido levados R$ 100 mil 09/01/2012 às 09:04
Show 1
Claudemir de Oliveira deixa o 5º DIP, onde contou a versão dele sobre o assalto no DB
Jornal A Crítica Manaus

O cadeirante Claudemir Augusto de Oliveira, 25, natural de Rondônia, detido por algumas horas, acusado de ter participado do assalto, na última quinta-feira, a caixas eletrônicos instalados dentro do supermercado DB da Ponta Negra, Zona Oeste, ele foi solto após prestar esclarecimentos e pagar fiança de R$ 2,5 mil, segundo informações da 5ª Delegacia Integrada de Polícia (DIP).

 A prisão aconteceu na noite do sábado, na residência dele, na rua do Carmo, Nova Esperança, Zona Oeste. No local, foram encontrados e apreendidos um cilindro de gás, uma botija de gás de cozinha de 5 quilos, CPU de computador, um revólver calibre 38 e cinco munições intactas. A arma, segundo depoimento do acusado, teria sido subtraída de um dos vigilantes do supermercado.

 Versão

 No 5º DIP, Claudemir afirmou que uma quadrilha havia se instalado na casa dele, uns dias antes do assalto, e que ele não sabia o paradeiro dos envolvidos. Ainda conforme o depoimento do cadeirante, que confessou à polícia que os objetos encontrados na residência foram usados no roubo, os objetos foram deixados por um homem conhecido como “Chocolate”, amigo de um conhecido seu chamado Ubiratan, que se encontra preso no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), no Km 8 da BR-174, por um delito não revelado.

Claudemir Augusto teria tentado esclarecer também, aos investigadores do 5º DIP, que entre os objetos deixados por Chocolate havia uma quantia de R$ 1 mil, que não teria sido apresentada. O dinheiro teria sido deixado pela quadrilha do assalto, para “Chocolate” entregar a Ubiratan. Conforme o auto de prisão, Claudemir afirmou que os envolvidos são de Cuiabá e que eles já teriam viajado para um destino não revelado.

Viagem a Cuiabá

Conforme declarações de Claudemir aos policiais, ele viajou no mês de abril de 2010 para Cuiabá, onde encontrou o amigo Ubiratan. Em uma conversa, Ubiratan disse a Claudemir que conhecia alguns homens que realizavam roubos a caixas eletrônicos com uso de maçarico. Claudemir teria dito ao amigo, que em Manaus não havia esse tipo de crime. De acordo com Claudemir, passados alguns meses, Ubiratan desembarcou em Manaus com quatro homens, conhecidos como Márcio Almeida Lima, Rafael, Lu e Meikes, que teriam ficado na casa de Claudemir.

Após alguns dias, os quatro supostos envolvidos teriam conhecido Chocolate, em uma casa noturna do Centro de Manaus, onde supostamente traçaram o plano do crime. Chocolate teria dado apoio logístico e conseguido armas para a realização do assalto. Claudemir foi ouvido pelos policiais na madrugada de domingo(por volta das 3h30) no 5º DIP.