Publicidade
Cotidiano
Notícias

Caminhão tanque pega fogo em Manacapuru (AM) e cadeirante que fumava próximo é queimado

O caminhão abastecia combustível em um posto flutuante no cais do porto. Há suspeitas que o incêndio tenha sido causado pela faísca do cigarro do cadeirante, que teve 95% do corpo queimado 10/01/2014 às 19:38
Show 1
A vítima foi transferida para o HPS 28 de Agosto, em Manaus, e o estado de saúde dela é instável e gravíssimo
VINICIUS LEAL Manaus (AM)

Um homem cadeirante teve 95% do corpo queimado nesta sexta-feira (10) em Manacapuru, município a 84 quilômetros da capital, durante explosão e incêndio de um caminhão pipa que abastecia combustível em um posto flutuante no cais da cidade, na avenida Eduardo Ribeiro. O cadeirante fumava próximo ao veículo e uma faísca de cigarro pode ter causado o incidente.


Segundo o major Michel, da Polícia Militar, a explosão ocorreu por volta das 15h30 com um caminhão pipa de placas NOX-0263 da empresa Viera Transportes, com bandeira da Petrobras. Além do cigarro, uma falha no motor do caminhão pode ter causado o ocorrido. A perícia no local ainda não foi feita pela Polícia Civil porque a delegada responsável pediu que peritos de Manaus fizessem o trabalho. O local do incêndio está isolado.

Com 95% do corpo queimado, inclusive as vias respiratórias, o cadeirante Manoel da Conceição Silva Oliveira, 63, está passando por procedimentos de limpeza cirúrgica no Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto, em Manaus, local para onde transferido vindo de Manacapuru. Com estado de saúde instável e gravíssimo, ele ainda será encaminhado para a UTI do Centro de Tratamento de Queimados (CTQ).


Os dois motoristas do caminhão, Adailton Oliveira, 40, e Delson Pinto dos Santos, tiveram queimaduras de 1º grau e foram levados ao Hospital Lázaro Reis, na cidade. Eles estão fora de perigo. Como o cais do porto fica em frente a um posto da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), muitas pessoas que estavam no local passaram mal com a fumaça do incêndio e também foram levadas ao Hospital Lázaro Reis.