Publicidade
Cotidiano
Notícias

Casas alagam e correm o risco de desabar na Zona Sul de Manaus

Por conta da forte chuva e obras do Prosamim, uma ponte que ligava os bairros Betânia e Morro da Liberdade desabou por volta das 18h. Muitos moradores estavam retirando seus pertences das casas alagadas e com risco de desabar 06/01/2012 às 22:16
Show 1
Ponte que ligava os bairros Betânia e Morro da Liberdade desabou por conta do volume de água após a forte chuva. Obras do Prosamim no local teriam contribúido, segundo moradores
Evelyn Souza Manaus

Uma ponte de madeira que ligava os bairros da Betânia e o Morro da Liberdade, na rua Santa Etelvina, Zona Sul de Manaus, caiu após o forte volume de água por conta da chuva desta sexta-feira (6).

O desabamento da ponte aconteceu por volta das 18h. Muitos moradores estavam retirando seus pertences das casas alagadas e com risco de desabar. A Defesa Civil foi acionada.


De acordo com o morador Antônio Sena, a área já foi catalogada pelo Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim).

“Essa área aqui atrás está toda condenada. O pessoal do prosamim já começou essa obra perigosa, mas nunca tomam nenhuma providencia com relação à gente. Muitas casas ali de trás correm o risco de desabar”, relatou Antônio.

Sete palafitas que ficam localizadas a margem do ‘igarapé da vovó’, que deságua no ‘igarapé do 40’ estão sob o risco de desabar a qualquer momento, contou Manoel Ribeiro, um dos moradores da rua Santa Etelvina.

A autônoma Maria das Graças, 40, que mora com mais quatro pessoas, foi uma das moradoras que teve que deixar sua casa por conta do risco de desabamento.


“A casa da minha vizinha do lado tá pra virar em cima da minha, a casa dela é de dois andares. Nós estamos tirando as nossas coisas e trazendo aqui pra rua, colocando na casa de outros vizinhos, mas essa noite a gente não sabe pra onde ir. Não sei onde vou dormir hoje”, ressaltou,

Solidariedade
O pastor da Igreja de Deus Petencostal do Brasil, Ronildo Ribeiro abriu as portas da igreja, que fica localizada na mesa rua, para que todos os afetados pudessem colocar seus pertences no local.