Publicidade
Cotidiano
Notícias

Chile vive segundo dia de protestos e presidente condena excessos da polícia

O presidente do Chile, Sebastián  Piñera, disse em entrevista exclusiva à emissora estatal de televisão, que o governo não vai tolerar “excessos nem abusos” 29/08/2012 às 10:58
Show 1
Bandeira do Chile
Renata Giraldi/Agência Brasil ---

Pelo segundo dia consecutivo, o Chile amanheceu nesta quarta-feira (29), com protestos e passeatas. Manifestantes encapuzados ocuparam as principais avenidas de Santiago, a capital do país - as avenidas Villa Francia, La Pincoya e Florida. Em alguns locais, o trânsito foi bloqueado e policiais usaram bombas de gás lacrimogênio para dispersar os manifestantes. Durante o protesto, havia crianças e idosos nas ruas. Houve queixas de excessos dos policiais, segundo os manifestantes.

O presidente do Chile, Sebastián  Piñera, disse nesta quarta (29), em entrevista exclusiva à emissora estatal de televisão, que o governo não vai tolerar “excessos nem abusos” por parte dos policiais. “[As queixas de abusos] me preocupam. Não vamos tolerar nenhum excesso policial”, disse ele. “Não vamos tolerar excessos nem abusos por parte dos policiais.”

No entanto, o presidente também defendeu a ação policial. “Os policiais cumprem ordens difíceis. Os policiais têm de manter a ordem pública, garantir a segurança e proteger a integridade das pessoas”, disse Piñera.

Os manifestantes chilenos cobram do governo mudanças no sistema educacional do país. No Chile, o ensino superior é privado, não existem universidades públicas. Também há cobranças para que o governo amplie o sistema público de creches. Piñera disse que as cobranças são legítimas e que o governo pretende atendê-las, assim que aprovar a reforma tributária, que está no Parlamento.

Porém, Piñera avisou que o ensino superior será mantido na iniciativa privada. Segundo ele, o objetivo é garantir que o chileno gaste, no máximo, 10% do orçamento pagando as mensalidades da universidade. O presidente acrescentou também que a pré-escola cobre a maioria dos chilenos com “qualidade e gratuidade.”

*Com informações da emissora estatal de televisão do Chile, TVN