Publicidade
Cotidiano
Notícias

'Choque de gestão pública' pretende zerar déficit da Prefeitura de Manaus

Durante Conferência sobre Choque de Gestão Pública, o prefeito Arthur Neto disse que a dívida do município de Manaus é de R$ 240 milhões e que já tem uma estratégia para zerar 23/02/2013 às 20:10
Show 1
Choque de gestão pública pretende zerar déficit da Prefeitura de Manaus
acritica.com Manaus (AM)

O choque de gestão,  que será implantado na máquina pública, vai zerar todas as dívidas herdadas pela atual administração municipal, acabar com o déficit orçamentário e deixar a Prefeitura de Manaus com poder de investimento. Foi o que deixou claro o prefeito Arthur Neto, na noite desta sexta-feira (22), ao participar da conferência 'Choque de Gestão Pública', no salão Alfa do Dulcila’s da Ponta Negra.

O seminário contou com a participação do governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, que se dedica há 26 anos à administração pública. Em 2003, ele assumiu a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, onde estruturou e conduziu, no plano administrativo, os compromissos que inspiraram um inovador programa de gestão que acabaram com o déficit orçamentário de R$ 2,4 bilhões. O mesmo programa será implantado em Manaus.

“É preciso gestão financeira correta, por isso tanto esforço. Nós faremos algo parecido e deixar a prefeitura com déficit zero. Hoje temos dois tipos de dívidas, aquelas essenciais, que dependemos para fazer a Prefeitura funcionar e as outras que estamos auditando. Vamos pagar através de leilões reversos. Quem der mais desconto recebe à vista. Temos R$ 240 milhões em dívidas, mas vamos pagar todas elas”, disse Arthur Neto.

Durante a conferência, Anastasia mostrou o quadro encontrado em Minas Gerais em 2003 e qual receita seguiu para atingir o equilíbrio fiscal. De acordo com ele, o choque de gestão buscou aprimorar a máquina pública, com melhoria dos serviços prestados à população, e cortou gastos públicos na busca de maior eficiência.

Em dois anos, o Governo do Estado equilibrou suas finanças, possibilitando a regularização do pagamento de direitos dos servidores públicos, a retomada de contratos de financiamento junto às agências de fomento internacionais, e iniciou uma política de investimentos.

“Fomos convidados para trazer a experiência realizada em Minas e demonstrar o que fizemos no estado. Claro, sabemos que não se pode repetir o que aconteceu lá, porque são circunstâncias e realidades diferentes, mas, a metodologia é o mais importante, pois mostra a relevância da boa gestão pública”, declarou Anastasia.

Na prática

Responsável direto pelos recursos  do município de Manaus, o titular da Secretaria Municipal de Finanças (Semef), Uilisses Tapajós, que também ministrou palestra no evento, disse que a partir do dia 1º de março toda a equipe da Prefeitura de Manaus começa a trabalhar com suas metas para transformar a cidade em um espaço aproximado de dois a três anos.

“Os nossos fornecedores precisam ser pagos.  Aqui chamamos este projetos de ‘Todo juntos por Manaus’. Queremos voltar a gerar oportunidades de progresso e isso será feito. Vamos zerar este déficit. Precisamos de dinheiro em caixa para fazer a obras de recuperação rumo a Copa do Mundo, então estamos fazendo todos os esforços possíveis.

Nos primeiros 50 dias de administração pública, a Prefeitura de Manaus já economizou R$ 50 milhões, recursos que serão investidos após os secretários informarem quais são as principais prioridades.