Publicidade
Cotidiano
ECONOMIA

Codam aprova investimentos de R$ 1,4 bilhão no Polo Industrial de Manaus

Número representa uma geração de 1.038 novos postos de trabalho; Conselho já aprovou 89 empreendimentos este ano, com um total de R$ 4,5 bilhões a serem investidos nos próximos três anos e geração de quase três mil postos de trabalho 04/07/2017 às 15:38
Show polo
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

O Conselho de Desenvolvimento do Amazonas (Codam), em sua 268ª reunião, aprovou todos os 29 projetos de empreendimentos para o Polo Industrial de Manaus (PIM). Presidida pelo secretário de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico (Seplan), José Jorge do Nascimento Júnior, o Codam já aprovou 89 empreendimentos este ano, com um total de R$ 4,5 bilhões a serem investidos nos próximos três anos e geração de quase três mil postos de trabalho.

De acordo com o secretário José Jorge, comparado a abril e maio de 2017, houve uma queda de apenas 0,04% no número de empregados, mas um aumento de arrecadação de 13,6%. O faturamento do PIM entre janeiro e maio teve um saldo de U$ 9,9 bilhões (32,67 bilhões de reais).

“Mesmo com todas as dificuldades, o Polo Industrial de Manaus continua sendo um porto seguro para investimentos”, afirmou o secretário da Seplan, acrescentando que isso se dá em decorrência da segurança jurídica e da manutenção das instituições, que seguem funcionando normalmente, apesar da crise.

A reunião teve como destaque os investimentos da Carrier Midea, que pretende diversificar seus produtos e passará a produzir ar condicionados split, com investimento de R$ 304 milhões e geração de 336 empregos diretos e para a Ardagh Indústria de Embalagens, que vai investir R$ 249 milhões com geração de 89 empregos, além da BYD Indústria de Baterias, que irá fabricar peças para carros elétricos, com investimento de R$ 144 milhões e criar 26 empregos.

De acordo com o superintendente da Suframa, Ápio Tolentino, os projetos aprovados são uma prova de que o PIM é uma excelente alternativa para as indústrias. “Graças à nossa competitividade, a porta de entrada de investimentos da indústria no Brasil é o Polo industrial de Manaus. Temos muito a fazer, precisamos aprovar as reformas e sair da crise. Esses projetos aprovados hoje têm até três anos para serem implantados, então, no primeiro ano, vai ser contratados uma parte da mão de obra, depois no segundo ano mais outra parte até o terceiro ano”, explicou.

Estiveram presentes na reunião, o secretário da Seplan, o presidente da Associação Comercial do Amazonas, Ataliba José Antônio, o presidente da Associação dos Municípios do Amazonas, João Campelo, secretário do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas, Antônio Stroski, Nelson Azevedo, vice-presidente da Federação das Indústrias do Amazonas entre outros.