Publicidade
Cotidiano
Notícias

Comércio de Manaus cresceu moderadamente

CDL-Manaus estima incremento 5,9% nas vendas realizadas em 2011 04/01/2012 às 08:59
Show 1
10% a 12% foi o crescimento estimado pela ACA para o comércio no ano que terminou. Destaque para Materiais de construção
CIMONE BARROS Manaus

O comércio amazonense teve crescimento moderado no ano passado, mas considerado 'bom' diante das medidas do governo de restrição de consumo e aumento de juros.

No entanto, as entidades do setor divergem em relação aos dados. A Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL-Manaus) calcula um incremento de 5,9% e a Associação Comercial do Amazonas (ACA) estima alta entre 10% e 12%, ante 2011.

A Federação do Comércio (Fecomercio) fechará o balanço na próxima semana. Para 2012, o presidente da CDL-Manaus, Ralph Assayag, espera mais investimentos em obras públicas, manutenção do nível de emprego para que o setor continue no mesmo ritmo de crescimento e possa superar as estimativas do governo brasileiro para economia brasileira entre 3% e 3,5%.

Como não concluiu as projeções, ele preferiu não 'chutar', mas acenou que deve ser um ano positivo inclusive porque mais um shopping com mais 200 lojas deve ser inaugurado na cidade. Já o presidente da (ACA), Gaitano Antonaccio, trabalha com cenário positivo de 6% a 8%.

De acordo Assayag, outro fator que contribuiu para o crescimento mais comedido em 2011 é que o ano anterior foi 'espetacular', com alta de 11,1%. Além disso, em 2010 houve o Liquida Manaus, que em abril deu um salto nas vendas de 10% sobre o mês de 2009, considerado quase um natal.

“Por isso, que ninguém acreditava que fossemos superar 2010”.

 Conforme o balanço da CDL-Manaus, o primeiro semestre foi melhor que o segundo no ano passado, com crescimentos de 3,5% e 2,8%, respectivamente.

Em relação aos meses, dezembro foi o melhor, com crescimento de 8% em cima de 11% de 2010. Os meses com desempenho menores foram setembro, 1,1%, e julho, 1,8%.

Em 2011, o presidente da CDL-Manaus destacou que contribuíram para o resultado do ano a contratação de 18 mil a 20 mil pessoas a mais, a abertura de 185 lojas e aumento de 19% no valor do décimo terceiro salário, além do trabalho de marketing e de vendas. O setor emprega cerca de 250 mil pessoas.

"Quem sustentou parte do mercado brasileiro m 2011 foi o comércio. A indústria não acompanhou e isso deve se repetir este ano", disse Ralph.