Publicidade
Cotidiano
Saúde

Compulsão alimentar e metabolismo podem ser as causas do reganho de peso

Dos pacientes que passam pela cirurgia de redução de estômago, 87% têm reganho de peso dois anos depois da intervenção. 'Choques metabólicos' e/ou acompanhamento psicológico são necessários para esses casos 16/05/2016 às 09:32
Show hfgjhgk
Pesquisa nos EUA acompanhou ex-participantes do programa “The Biggest Loser” que reganharam peso após o reality
Rosiel Mendonça Manaus (AM)

Um dos principais medos de quem sempre lutou contra a balança é voltar a ganhar os quilos que foram perdidos depois de uma rotina de dietas e exercícios físicos, às vezes cumpridos a duras penas. No caso dos pacientes bariátricos, como são chamados os obesos que passaram pela cirurgia de redução de estômago, pesquisas apontam que 87% deles têm reganho de peso dois anos depois da intervenção. Quem fornece o dado é o endocrinologista Mário Quadros, que atende em seu consultório muitos desses exemplos de insucesso.

No caso desses grupos, o médico diz que um dos responsáveis pela recuperação da gordura perdida é a compulsão alimentar, uma patologia básica associada à obesidade. “Quando o paciente faz a cirurgia, há uma limitação temporária de ingestão de alimento, mas muitos começam a sabotar o tratamento porque o transtorno compulsivo não foi tratado”, explica.

“Alguns engordam de novo porque voltam a comer sorvete, chocolate e outras coisas do tipo, mas tenho visto com mais frequência o peso do uso de bebida alcoólica nesse processo. Muitas vezes, a bebida tem mais calorias que um prato de refeição: uma dose de uísque tem 88cal e a cerveja tem 52cal por 200ml”.

Mário Quadros alerta que a compulsão alimentar é um problema que requer atenção de um psicólogo, por isso o acompanhamento com um profissional da área acontece no pré e no pós-operatório. “A ideia é neutralizar o ato voraz de se alimentar com rapidez, mas depois da cirurgia também se recomenda atividade física, que melhora o sono e promove a readaptação de músculos e ossos, além de alimentação de três em três horas e reposição de vitaminas”.

O endocrinologista aponta ainda que um efeito comum nos bariátricos que têm reganho de peso é a sensação de frustração e fracasso. “Nesses casos é fortalecer o acompanhamento psicológico ou até iniciar tratamento com antidepressivos”.

Metabolismo influi

A endocrinologista Caroline Coimbra aponta que outro aspecto do reganho de peso tem a ver com o próprio metabolismo da pessoa. “No passado recente, jogavam a culpa da obesidade na preguiça e na indisciplina das pessoas, mas com a descoberta de hormônios como a leptina, que controla a saciedade, viu-se que a manutenção do peso não depende só da vontade do paciente. Existe todo um mecanismo interno que controla a fome, além de alterações genéticas e da flora intestinal”, justifica.

Segundo ela, quando emagrecemos, as células de gordura “murcham”, diminuindo também a produção de hormônios como a insulina e a leptina. Uma consequência no curto prazo é a diminuição da vontade de comer, mas o cérebro entende que há uma carência nutricional e “manda” o corpo comer mais para repor o estoque de energia. “Por isso em dietas muito restritivas e grandes emagrecimentos o corpo tende a reganhar o peso muito rápido”.

A médica acrescenta que a medicina atual tem catalogados 19 hormônios envolvidos no processo de reganho de peso. “Depois de um tempo, o organismo ‘trava’ a perda mesmo com uma rotina de alimentação saudável e exercícios quatro vezes por semana”, diz. Isso vale tanto no emagrecimento clínico (com remédios e dietas), quanto no cirúrgico. Em quem precisa perder até 10% do peso esse efeito é menos problemático, bastando se manter dentro da dieta.

Nos casos em que a perda foi maior, a estratégia para driblar a tendência do organismo de estancar a perda de gordura, segundo Caroline, é uma reavaliação para promover “choques metabólicos”. “Nesse ponto, é necessário modificar o estímulo, seja mudando a dieta completamente ou buscando alternativas de modalidades esportivas ou remédios”.

Saiba +

“Obesidade é doença crônica, ou seja, não pode parar o tratamento”, explica a Dra. Caroline Coimbra. O parâmetro mais comum para se identificar a obesidade é o IMC (Índice de Massa Corporal), que leva em conta peso e altura – acima de 30 o paciente já é considerado obeso e tem indicação de tratamento com remédios para driblar a tendência do metabolismo em recompensar a privação do alimento.