Publicidade
Cotidiano
Aniversário

De jornal impresso à era digital: são 67 anos da Rede Calderaro de Comunicação

Fundado por Umberto Calderaro Filho em 1949, o jornal A Crítica foi o primeiro produto do grupo, que hoje possui mais de 20 empresas, incluindo TV e rádio 19/04/2016 às 03:50 - Atualizado em 19/04/2016 às 14:33
Show sem t tulo
São quase sete décadas de presença do jornal impresso do grupo RCC na história do Amazonas
Isabelle Valois Manaus (AM)

São quase sete décadas “de mãos dadas com o povo”, cumprindo a missão de informar, com os olhos sempre voltados para o futuro. Quando foi inaugurado, em 1949, o jornal A Crítica de Umberto Calderaro Filho já era uma promessa de inovação na comunicação e na própria história do nosso Estado. E, neste 19 de abril, a Rede Calderaro de Comunicação (RCC) chega aos 67 anos com outra marca da inovação - o novo portal  A Crítica - e a aprovação de quem mais entende de jornal: nossos leitores.

E não importa quando nem como, A Crítica está  presente no dia a dia de milhares de famílias, seja por meio do tradicional jornal impresso - paixão do geógrafo Evandro Rodrigues da Silva, 50, um colecionador de edições históricas -, ou pelas plataformas digitais, que a cada dia conquistam novos adeptos, como o estudante Cristiano Cunha Santos, 22, leitor assíduo do portal acritica.com, que aponta a interação como o “forte” dessas plataformas. “Gosto porque, além de nos informarmos em tempo real, podemos dar nossa opinião no site e no Facebook. Me sinto mais próximo do que está acontecendo”, revelou.

Mas se engana quem pensa que esse mundo digital é só dos mais jovens. Do alto de seus 88 anos, o professor e escritor Orígenes Martins é assinante e não abre mão da tradição de ler o jornal impresso, mas “navega” diariamente pelo portal acritica.com, plataforma que usa para se manter informado e, também, compartilhar assuntos que julga relevante. Coisa, aliás, que ele faz há 69 anos, bem antes da Internet existir. E não, não é coincidência: Orígenes relata ter testemunhado o “nascimento” do jornal A Crítica, do qual foi colaborador por muitos anos, escrevendo editoriais, relembra.

“A comunicação já estava no sangue de Umberto. Ele não falava de outra coisa, sempre pensava no sonho de fundar um jornal em Manaus. Quando uma turma do Seminário que participávamos precisou ir para Fortaleza, ele não pensou duas vezes: largou tudo e foi em busca do sonho, que anos mais tarde se realizou”, contou Orígenes, que foi colega de Umberto Calderaro Filho no Seminário.

Quando retornou de Fortaleza, Orígenes encontrou, em Manaus, um Umberto empolgado com o projeto, que surpreendeu o professor e o padre Luiz Ruas (conhecido pelo Clube da Madrugada) com o convite para participarem do jornal. Orígenes, por um bom tempo, escreveu o editorial, fase importante na carreira dele, lembra. “Estávamos em um momento de conflito político, o governador do Estado era Plínio Ramos Coelho, tentaram derrubar o jornal e lembro como se fosse hoje: o editorial levou o título: Responderemos a Bala!”, contou, lembrando o “estilo” de Umberto Calderaro Filho.

Além de ter integrado a primeira equipe da redação do jornal A Crítica, Orígenes também concedeu muitas entrevistas quando secretário de Estado de Educação, mas uma delas o marcou: era dezembro de 1985 e, além do repórter, participou da entrevista o próprio Umberto. O resultado foi uma fotografia que ficou eternizada no jornal impresso e na memória de Orígenes.

Fundador de um dos grupos educacionais mais tradicionais de Manaus, Orígenes ainda hoje acompanha os passos do jornal, seja pelo impresso ou pelo portal. “O A Crítica tem uma responsabilidade com o povo. Veicula as notícias verdadeiras, além de nos mostrar as injustiças. Se não tivéssemos uma imprensa como essa, hoje seríamos uma sociedade fracassada. Por isso, me orgulho de ter feito parte dessa história”.

De Manaus para o mundo

Não foi só o jornalismo que ganhou com o surgimento das plataformas digitais: elas permitiram à RCC levar o conteúdo do jornal A Crítica para leitores de outros estados e até de outros países. Um deles é o aposentado Oswaldo Caldas Barbosa, 60, morador do Rio de Janeiro e assinante fiel da versão digital do jornal A Crítica, que encotrou na parceria uma forma de se manter informado sobre o que acontece por aqui.

“Somos casados há 30 anos e minha esposa é de Manaus. Para não perdermos o vínculo com a cidade e saber de tudo que está acontecendo na capital e no Amazonas, somos assinantes digitais. Como não podemos comprar o jornal diariamente, acompanhamos as notícias pelo portal. Acredito que essa inovação, além de facilitar a nossa vida, vai conquistar muitos leitores mundo afora, afinal, A CRÍTICA é um jornal que sabe o que faz e tem o mais importante para quem trabalha com a informação: credibilidade. Isso não se faz da noite para o dia”.

O novo Portal A Crítica

Há pouco mais de um mês, o portal www.acritica.com está de "cara nova". Com novo layout, a página de A Crítica na internet teve todas as seções reformuladas, com um novo design. Com essas inovações, a fanpage do portal acritica.com no Facebook chegou à marca de 279 mil curtidas, além dos mais de 97 mil seguidores do Twitter e 20 mil do Instagram.

“Essa reformulação foi necessária por uma questão natural do avanço das novas mídias e de como os internautas se relacionam com elas. Sentimos a necessidade de priorizar a questão visual, além de fomentar novas discussões, o que ficou possível graças a um novo sistema de comentários. E isso é um reflexo do tamanho do site, que abrange leitores de toda parte do globo, e da qualidade das nossas notícias”, disse Victor Affonso, editor-chefe do portal.