Publicidade
Cotidiano
Notícias

Delta receberá R$ 19 milhões por obra na BR-174, que liga o Amazonas a Roraima

Na soma de valores de empenho e restos a pagar a empreiteira, investigada por ter ligações com o contraventor Carlinhos Cachoeira, receberá R$724 milhões por obras em andamento em todo o País 22/05/2012 às 21:05
Show 1
Rodovia que liga Manaus a Boa Vista (RR) rompe depois de forte chuva, em março de 2011
acritica.com Manaus

A Delta Construções S/A deve receber cerca de R$ 724 milhões da União em restos a pagar e valores empenhados e não liquidados em 2012, dos quais R$ 429,2 milhões, equivalente a 59,3%, serão pagos pelo Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit), os quais incluem obras na BR-174, que liga Manaus (AM) a Boa Vista (RR), no valor de R$ 19,7 milhões. As informações foram postadas no site Contas Abertas.

Segundo o site, neste ano, foram R$ 229,5 milhões, dos quais R$ 8,0 milhões foram liquidados, além de R$ 504,5 milhões de exercícios anteriores. Além de recursos da Região Nordeste, a empreiteira também vai receber recursos relativos a obras da BR-110, na divisa entre o Rio Grande do Norte e Paraíba, no Ceará (R$ 21,3 milhões), na BR-174 no estado do Amazonas (R$ 19,7 milhões) e na BR-242 no estado da Bahia (R$ 9,8 milhões), todas tocadas pelo Dnit. Alguns dos valores correspondem à época em que o senador pelo Amazonas, Alfredo Nascimento (PR), dirigia o Ministério dos Transportes, órgão ao qual o Dnit é vinculado.

Além dos ministérios da Integração e dos Transportes, o da Saúde também pagará à empreiteira, em restos a pagar, R$ 15,4 milhões para a implantação da nova sede do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, no Rio de Janeiro. Conforme o site, as obras em andamento estão em todas as regiões do país, já que se trata da maior empreiteira do Programa de Aceleração do Crescimento.

A Delta é investigada por supostas ligações com o contraventor Carlinhos Cachoeira, o qual tem a ligação com políticos, identificadas por grampos telefônicos efetuados pela Polícia Federal (PF), durante a operação Monte Carlo, analisada por uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) no Congresso Nacional.