Publicidade
Cotidiano
Notícias

Deputado Federal propõe construção de reservatórios de água em Manaus

A iniciativa, segundo o Deputado Federal Praciano (PT) acabaria definitivamente com os problemas de abastecimendo de água nas Zonas Norte e Leste 17/03/2012 às 09:25
Show 1
Deputado Francisco Praciano é o autor da proposta
Kleiton Renzo Manaus

O deputado federal Francisco Praciano (PT-AM), apresentou, na última sexta-feira (16), em entrevista coletiva, proposta no valor de R$ 21,5 milhões para, de acordo com ele, acabar “definitivamente com o problema de água nas Zonas Norte e Leste”. Praciano é pré-candidato à Prefeitura de Manaus nas eleições deste ano.

De acordo com estudo, apresentado pelo economista Juarez Baldoino da Costa, que utilizou números de relatórios da Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos do Estado do Amazonas (Arsam), a captação de água feita pela empresa Águas do Amazonas é de mais de 21, 5 milhões de metros cúbicos de água. “Enquanto o consumo médio mensal por pessoa em Manaus é de 170 litros de água/dia. Por mês esse número por habitante é de 5.100 mil litros, e esse valor multiplicado pelo número da população da cidade equivale a cerca de 10 milhões de litros de água por mês”, apontou o economista.

“O problema, disse o deputado Praciano, não é de captação e sim de armazenamento”. Como alternativa, o parlamentar defende a construção de mais quatro reservatórios nos bairros: Cidade Nova, Francisca Mendes, na Zona Norte; Coroado, Zona Leste; e Educandos, na Zona Sul. Além da utilização de três reservatórios do Proama: Núcleo 23, Mutirão e São José. “Com essa proposta em menos de seis meses nós teríamos todos os reservatórios armazenando água e atendendo 85 mil famílias”, afirmou Praciano.

Valores

O custo total do projeto apresentado pelo deputado petista está estimado em R$ 21,5 milhões (R$ 5 milhões, por cada reservatório novo que seria construído, e R$ 500 mil para a interligação dos reservatórios do Programa Águas para Manaus (Proama).

A defesa de Francisco Praciano para a adoção da proposta é que a implantação dessas ações não afetaria o cotidiano das pessoas e também não criaria atrito entre a prefeitura e a concessionária. “Nossa proposta não é fazer politicagem. É uma proposta coerente e com aplicabilidade. A Prefeitura, o Estado e a empresa podem por esse projeto em prática”, disse.

De acordo com o senador Eduardo Braga (PMDB), líder do Governo no Senado, 700 mil pessoas não têm acesso à água em Manaus.