Publicidade
Cotidiano
Notícias

Descaso: canteiros do Distrito Industrial de Manaus estão tomados de mato

Vegetação no canteiro das avenidas Buriti e Oitis cresce sem controle. Motoristas e pedestres reclamaram das condições em que estão as duas vias 05/10/2012 às 08:20
Show 1
Matagal tomou conta do canteiro central e está com mais de dois metros de altura. Moradores denunciam o descaso
Jornal Acrítica ---

O descaso com a vegetação no canteiro central das avenidas Buriti e Oitis, no Distrito Industrial, na Zona Sul, coloca em risco a vida de condutores e pedestres, que trafegam e atravessam pelo local. Depois de quase dois meses da primeira denúncia, o mato alto e árvores ainda não foram podados. A competência da área está sem sentença final (sub judice), sobre a quem compete a manutenção das vias, se a Superintendência da Zona Franca de Manaus ou a prefeitura.

Nesta quinta-feira (04), motoristas e pedestres reclamaram das condições em que estão as duas vias. “O perigo está presente todos os dias, nos retornos. Em dias de chuva o perigo é dobrado porque a falta de visibilidade e o mato alto dificultam”, disse o motorista Everaldo Ferreira, 38. Segundo moradores do residencial Eliza Miranda, no Distrito Industrial, por conta do mato do canteiro, industriários e moradores têm dificuldades em atravessar a rua e são ignorados pelos motoristas. “Não há faixa de pedestres, nem estrutura para diminuir a velocidade dos veículos em áreas residenciais. Às vezes, os condutores não respeitam nem os semáforos”, desabafou o estudante Carlos de Souza, 22.

Em nota, a Suframa informou que um plano de recuperação total da malha viária do Distrito Industrial, que inclui o corte do mato e limpeza e corte dos canteiros, será elaborado. “Está sendo elaborado um plano, restando definir pontos importantes antes de se divulgar qualquer cronograma, já que a competência sobre a área está sub judice”, diz a nota.

De acordo com industriários, o único que melhorou nas duas vias, foi a quantidade de lixo. “Agora, há menos papeis e sacolas de plástico”, disse Cláudio Viana, 34, acrescentando que a iluminação na via é precária.