Publicidade
Cotidiano
TECNOLOGIA

Os carros do futuro: inteligência artificial transforma veículos em autônomos

Graças à evolução da ciência de dados e engenharias, fabricantes de automóveis e empresas de tecnologias estão unidas para desenvolver protótipos sem motorista 01/04/2018 às 09:00
Show show uber orders 24000 volvo xc90 plug in hybrids for fleet of driverless autos
Volvo modelo XC90 é o veículo autônomo utilizado nos testes de carros autônomos da Uber nos Estados Unidos
Cinthia Guimarães Manaus (AM)

O futuro tecnológico onde carros voadores e automatizados são protagonistas da mobilidade das grandes metrópoles lembra um filme de ficção científica, mas por incrível que pareça não está tão distante de acontecer. Uma série de recursos que funcionam através de inteligência artificial já estão sendo desenvolvidos pela indústria automobilística no mundo e ganhando o mercado aos poucos.

Graças à evolução de áreas como ciência de dados e engenharias, fabricantes de automóveis e empresas de tecnologias estão unidas para desenvolver protótipos de veículos autônomos (sem motorista) que prometem revolucionar a nossa forma de transporte.

A inteligência artificial para a indústria automobilística foi tema da entrevista com o engenheiro eletricista e doutor Sildomar Takahashi Monteiro, que esteve em Manaus, em março, para palestrar sobre “Self Driving Cars” (carros autônomos) durante a Semana de Inteligência das Coisas (“Intelligence of Things Week”), promovida pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e pelo instituto Samsung Ocean.

Takahashi é amazonense e atualmente é engenheiro- pesquisador da Boeing, nos Estados Unidos. No seu currículo estão doutorado no Japão, pós-doutorado na Austrália e amplo conhecimento em inteligência artificial, além de ter sido professor por cinco anos do Instituto de Tecnologia de Rochester, no estado americano de Nova York. “É um produto que vai revolucionar o mundo e chegará ao Brasil em breve. Basicamente é uma tecnologia que usa tudo que é desenvolvido sobre inteligência artificial e robótica”, explicou Takahashi. 

No entanto, há grandes desafios para a sociedade atual se essa tecnologia realmente der certo, uma vez que deve movimentar toda uma cadeia produtiva por trás dela, reforça ele.

O que é?

Tecnologias embarcadas como freio ABS, air bag, sensor de estacionamento já são parte do presente dos carros autônomos que se locomovem através de radares, sensores, câmeras e controle eletrônico de estabilidade (ESP).

O modelo de negócios do Uber (carona remunerada) é a aposta para o mercado de carros autônomos, cujas frotas comerciais devem demandar a fabricação para a indústria automobilística. 

Empresas como a sueca Volvo, a alemã BMW, a alemã Mercedes Benz, a americana General Motors e a japonesa Toyota já estão na vanguarda da tecnologia desenvolvendo modelos de veículos super inteligentes.
O Vale do Silício, na Califórnia, é o ambiente fértil para evolução  tecnológica, onde cerca de 40 empresas têm permissão para testar carros autônomos no estado americano.

Implicações

Entre os principais benefícios estão a segurança e redução de acidentes que são falhas humanas. O Brasil registra cerca de 47 mil mortes por ano no trânsito e 400 mil acidentados ficam com algum tipo de sequela, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O Observatório de Segurança Viária diz que 90% dos acidentes são relacionados ao comportamento do motorista. E não adianta apenas ter estrada nova e carro seguro.

“No tempo das carruagens, achavam que os cavalos não seriam substituídos e foram. Mas eles continuam existindo com outra finalidade. Assim como os carros autônomos são uma questão de tempo, é inevitável”, sentenciou o professor Takahashi. Então vamos esperar para ver!

Destaque

As transformações são muitas. Cidadãos poderão trocar o custo de manter um carro particular por carros sob demanda, o que pode significar no futuro menos acidentes, menores congestionamentos,  redução com custo de manutenção e até queda na arrecadação de impostos.

Experiência

  • A Toyota revelou este ano, na Consumer Electronics Show, em Las Vegas, um veículo autônomo capaz de conversar com os motoristas.
  • A Jaguar Land Rover desenvolveu o autônomo Jaguar I-Pace para Waymo para Alphabet, que vai entrar no mercado de carros compartilhados.
  •  A General Motors anunciou um carro totalmente autônomo - sem volante, ou pedais - para entrar na primeira frota comercial da montadora em 2019.
  • A Fiat Chrysler já fabrica para a Waymo o Pacifica Hybrid para o serviço de táxi sem motorista.

Blog

Ricardo Bacellar, head of automotive industry da KPMG Brasil:

“Estamos nível 3 entre 5  do desenvolvimento de carros autônomos.  No ultimo nível, os carros terão total independência. Alguns recursos estão sendo incorporados aos poucos pela indústria, como ultrapassagem assistida, sensores de distância e frenagem automática que garantem distância segura entre carros. Estas soluções vão sendo embarcadas em veículos premium, uma vez que o custo mais fácil de ser incorporado. Cada montadora em estágio de maturidade diferente. A indústria mais impactada por esta transformação diretamente será a de seguros, já que a taxa de risco de trânsito vai diminuir significativamente. Outra coisa é o negócio de oficinas mecânicas que não serão mais tão necessárias em função disso".

Publicidade
Publicidade