Publicidade
Cotidiano
Atrás das grades

Quatro prefeitos estão presos por usar dinheiro público em benefício próprio

Adail Pinheiro (Coari), Xinaik Medeiros (Iranduba), Mariolino Oliviera (Santa Isabel do Rio Negro) e Maria Barroso (Pauini) são acusados de desviarem milhões dos cofres públicos 15/05/2016 às 05:00 - Atualizado em 15/05/2016 às 09:28
Show fdgfdgdfgdfg
Adail (Coari), Mariolino (Santa Isabel do Rio Negro), Maria Barroso (Pauini) e Xinaik (Iranduba). Foto: Jornal A Crítica
Joana Queiroz Manaus (AM)

Quatro gestores de municípios do Amazonas, dois deles ex-prefeitos, vivem hoje atrás das grades. Eles são  acusados de desviar dos cofres públicos, aproximadamente R$ 115 milhões dos cofres públicos  em benefício próprio de familiares, de grupos políticos e empresariais.

O ex-prefeito de Coari Adail Pinheiro, o ex-prefeito de Iranduba, Xinaik Medeiros e o prefeito de Santa Isabel do Rio Negro, Mariolino Oliveira Siqueira,  estão presos no Comando de Policiamento Especial da Polícia Militar (CPE), no conjunto Dom  Pedro, Zona Centro-Oeste.

Xinaik e Mariolino foram presos por comandarem organizações criminosas em seus municípios. Eles usavam o dinheiro público em beneficio próprio.  Adail, é acusado em um processo movido pelo MPE por suposta exploração sexual de crianças.

A prefeita do município de Pauini, Maria Barroso da Costa,  foi presa na última segunda-feira (9),   durante a operação “Cartas Chilenas”, deflagrada pela Polícia Federal. Maria Barroso é suspeita de envolvimento em uma organização criminosa, que teria desviado cerca de R$ 15 milhões em recursos públicos da Saúde e Educação no município. Ela está presa  na cadeia Francisco D'Oliveira Conde, em Rio Branco, no Acre.

Enquanto que, Adail, Xinaik e Mariolino ocupam duas celas de 21 metros quadrados, Mobiliadas com um beliche, uma cama de solteiro, um frigobar e um climatizador. Esse espaço, eles ainda dividem com dois criminosos o ex-policial civil Emídio do Carmo, condenado a 16 anos por homicídio e o traficante de droga e membro do Primeiro Comando da Capital (PCC),  Fábio Diego Matos Oliveira, o “Piu Piu”.

Eles fazem três refeições por dia, café da manhã, almoço e jantar, Xinaik, toma banho de sol, enquanto Adail, que está acima do peso, prefere não se expor, temendo ser fotografado por algum jornalista.

Adail  chegou a sugerir ao comandante que ao invés de banho de sol, fosse concedido a ele o banho de lua, o que não foi concedido, de acordo com Cleitman. Mariolino, está preso há menos de uma semana, passou esses dias na sede do Ministério Público Estadual (MPE) prestando depoimento e, por enquanto só dormiu no quartel, assim como o secretário de finanças do município Sebastião Siqueira de Moraes que será transferido para uma unidade prisional na próxima semana.

Presos exigem regalias  no CPE

De acordo com o coronel Cleitiman Coelho, comandante do CPE,  os presos passam o dia e a noite  trancados e só saem para falar com os advogados durante a semana, e sábado. “No  domingo e feriados  recebem seis visitas.  Toda terça-feira tem atendimento religioso”.

Cleitiman diz que a unidade militar não possui estrutura para guardar presos e por conta disso, nos dias de visitas todos os presos ficam com as suas visitas em uma única sala. Eles não estão tendo visitas íntimas, por falta de espaço. Adail recebe a visitas de familiares de amigos. Eles pedem conforto, ar condicionado, que aumentem o numero de visitas e até reunião partidária no quartel. Eles também pedem para não delimitar o número de visitas e também,  querem sair sem a autorização da Justiça ao médico. “Quando precisam cortar o cabelo vem um cabeleireiro de um salão perto”.

O coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), Mauro Veras disse que os três prefeitos estão presos por conta de investigações feitas pelo MPE e, que há certa semelhança entre os crimes praticados por eles.

Blog: Marco Aurélio Choy, presidente da OAB-AM

"No Amazonas, vivenciamos um momento com quatro prefeitos presos, algo ainda não visto, devemos destacar que são medidas cautelares, e que ainda não há condenação, mas que esse novo momento vivido no país e no Estado trará reflexos, inclusive, nas Eleições Municipais deste ano, onde o povo terá o papel preponderante, inclusive, na fiscalização do chamado 'caixa-dois' de campanha e da corrupção eleitoral, medidas que permitem o acesso do Poder aos maus políticos".