Publicidade
Cotidiano
Notícias

Droga: herança de família

Está se tornando cada vez mais comum em Manaus a prisão de gerações inteiras por comercialização de entorpecentes 24/02/2013 às 12:06
Show 1
Edilaine de Freitas e Maria Auxiliadora, mãe e filha, foram presas com drogas em 2010.
Maria Derzi Manaus (AM)

Gerações de filhos corrompidos pela associação dos pais com entorpecentes. Famílias criadas acostumadas a ver, dentro do lar, a comercialização de substâncias ilícitas. Na outra ponta também estão pais que acabaram por “sucumbir” às vantagens oferecidas pelos filhos traficantes e acabaram se integrando ao esquema da droga. Esposas que fecham os olhos para a “profissão” adotada pelos maridos e, mesmo sem atuar diretamente, acabam se beneficiando com o dinheiro gerado pelo mundo do tráfico. Essa é a realidade que vem se configurando no tráfico em Manaus.

Na semana passada, pelo menos duas famílias inteiras foram detidas pela Delegacia Especializada na Prevenção e Repressão a Entorpecentes (Depre) por envolvimento com o tráfico. “Essa é uma situação que está se tornando recorrente. Chegamos ao local e todos da família são coniventes. Às vezes, todos praticam a conduta do tráfico em si”, disse o titular da Depre, Rafael Dagostini Schmidt.

As famílias “caem” no tráfico devido às facilidades financeiras. “São pessoas, geralmente, de baixo poder aquisitivo, sem escolaridade, que não conseguiram completar o Ensino Fundamental. Eles optam pelo tráfico porque não têm condições de ganhar o dinheiro tão rapidamente nas atividades lícitas”, disse delegado.

Mas, engana-se quem pensa que são apenas os maridos, pais ou filhos homens que levam a família para o tráfico. “Hoje a gente observa que as mulheres atuam tanto quanto os homens. Elas não transparecem, mas, muitas vezes, são a cabeça da organização. Acabamos descobrindo com a investigação. Elas que articulam, fazem a contabilidade, tomam decisões”, disse o delegado.

Filhos do tráfico

Pior que constatar que a célula da sociedade está, cada vez mais “contaminada” pelo tráfico de drogas é ver que os descendentes destas famílias não têm a possibilidade de aprender se a prática do tráfico de drogas é certa ou errada, porque os próprios pais estão inseridos neste mundo. “Os filhos acabam entrando por convivência. Uma vez pegamos uma criança de 11 anos que já acha o tráfico comum. Elas aprendem a dissimular, enganar, manipular vendo os pais fazendo isso. Algumas, na hora da abordagem, tentam enganar a polícia, porque sabem vamos prender os pais delas. Dá pena ver criança já nesse mundo”, disse o delegado.

Apreendidos recebem acompanhamento

Crianças e adolescentes apreendidas em situação de risco são encaminhadas às entidades competentes. “Mas as gerações estão sendo formadas no tráfico, pelos pais. É uma situação difícil que precisa ter um acompanhamento”, disse Rafael Schmidt.

Tráfico de avó para neto

Em alguns casos, mãe assumiu boca de fumo deixada pelo filho e ‘formou’ a família no negócio ilegal. Nesta semana, um casal foi preso junto com a filha de dois anos no bairro Morro da Liberdade, na Zona Sul. Tiago Ferreira da Costa, 24, e Janeide Neves Marques, 40, estavam sendo investigados, há um mês, por tráfico de drogas. O marido traficava na frente da filha, na casa onde morava. Com eles foram encontrados R$3 mil, renda oriunda da venda de droga.

Outro caso em que a droga virou “herança de família” ocorreu quando o traficante Paulo Maceno, o “Pé de Pano”, foi preso e morto. A esposa dele, Aldine Oliveira de Barros, 28, virou a “Viúva do Pó” ao assumir o comando do tráfico. Ela foi morta no dia 8 de outubro, possivelmente por traficantes rivais.

Em julho de 2012, dois netos menores de idade de Creuza Souza Marinho, 68, a “Vovó do Pó”, presa em 2011, foram apreendidos com 10 porções de maconha, no bairro Grande Vitória, Zona Leste. Ela assumiu o posto depois que o filho, que era dono da “boca de fumo”, morreu. No momento da prisão, ela estava atendendo um cliente.

Ainda em 2012, no mesmo bairro, a filha dela, Denise Alves da Silva, 38, foi presa ensinando o filho, de apenas 12 anos de idade, a vender drogas.