Publicidade
Cotidiano
Colisão no Rio Amazonas

Dois amazonenses estão entre os desaparecidos em Óbidos, no Pará

Governo do Pará deve entrar em contato nesta segunda-feira (14) com o Governo do Amazonas para pedir apoio na localização dos familiares das vítimas amazonenses e amparo 14/08/2017 às 09:33
Show wandel ferreira de lima  esquerda  e cleber rodrigues azevedo  direita
Wandel Ferreira de Lima (esquerda) e Cleber Rodrigues Azevedo (direita) estão desaparecidos desde a madrugada do último dia 2, quando aconteceu o acidente. Foto: Reprodução/Facebook
Silane Souza Manaus (AM)

Dois dos três amazonenses que estavam no empurrador Bertolini CXX, que afundou após colidir com o navio mercante “Mercosul Santos”, no dia 2 deste mês, próximo ao município de Óbidos, no Pará, continuam desaparecidos. O outro foi resgatado com vida no dia do acidente. Hoje, a Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Renda do Pará (Seaster) deve entrar em contato com a Secretaria de Assistência Social do Amazonas (Seas) para pedir apoio na localização dos familiares das vítimas e amparo.

De acordo com a assistente social da Seaster Elisabete Vitervino, o sobrevivente é Euclinger da Silva Costa e os desaparecidos são Wandel Ferreira de Lima e Cleber Rodrigues Azevedo, todos do município de Itacoatiara (a 176 quilômetros de Manaus). “Vamos oficializar hoje o pedido a Secretaria de Assistência Social do Amazonas para que possa encontrar esses familiares e prestar assistência psicossocial. As famílias precisam de conforto porque até então eles continuam desaparecidos”, disse.

Na última quinta-feira, o Corpo de Bombeiros Militar/Defesa Civil do Estado do Pará solicitou informações aos representantes das empresas Transportes Bertolini Ltda. e Mercosul Line, proprietárias, respectivamente, do empurrador CXX e do navio mercante “Mercosul Santos”, sobre as definições de buscas aos desaparecidos e o trabalho de reflutuação do empurrador, localizado a 63 metros de profundidade e distante mais de 15 quilômetros do local do acidente.

Foram solicitados também esclarecimentos quanto ao atendimento dos familiares das vítimas. Nove pessoas, todos tripulantes do empurrador, continuam desaparecidas. A suspeita é que os corpos possam estar presos nos compartimentos do CXX. Além de o fornecimento de informações (e-mails e documentos) referentes à contratação de empresa especializada no trabalho de salvatagem (resgate) do empurrador. O pedido seria formalizado em um ofício à Bertolini, que terá até o dia 16 para responder.

Neste mesmo dia também está prevista uma nova reunião. A seguradora P&I, que presta serviços à Transportes Bertolini, será convocada a participar do encontro. Na última quinta-feira, o gerente da Bertolini, Marcelo Schroder, disse que a P&I está buscando empresas especializadas no resgate dos desaparecidos e o içamento do empurrador, mas nenhuma empresa qualificada havia apresentado condições para a execução dos trabalhos, devido às dificuldades do local onde o naufrágio ocorreu.

Destaque

A barcaça da Bertolini que ficou presa ao navio mercante Mercosul Santos, após a colisão num trecho do rio Amazonas, próximo ao município de Óbidos, foi retirada neste sábado e a embarcação seguiu a um ancoradouro para ser inspecionada.

Saiba mais

A Marinha do Brasil informou que as buscas pelos desaparecidos continuam por meio de lanchas da Capitania Fluvial de Santarém e dos Navios Patrulha “Bocaina”, de Belém, e Hidroceanográfico Fluvial “Rio Branco”, de Manaus, com o apoio de mergulhadores do Corpo de Bombeiros e agentes dos Órgãos de Segurança Pública. E a Capitania Fluvial de Santarém continua coletando dados e informações que irão auxiliar na conclusão do Inquérito Administrativo já instaurado.