Publicidade
Cotidiano
Notícias

‘El niño’ pode agravar seca na Amazônia

Inmet e Sipam preveem temperaturas elevadas e tempo seco na transição de estações e não descartam vazante recorde 02/07/2012 às 13:16
Show 1
Em 2010, o ‘El niño’ também influenciou as mudanças climáticas e agravou a estiagem que, naquel ano, bateu recorde
Milton de Oliveira ---

Temperaturas elevadas, menos nuvens, tempo seco e meses mais quentes são as características do início da estação seca que os amazonenses vão vivenciar até meados de outubro e que pode ser recorde, segundo previsão do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam).

O início do verão amazônico ainda pode refletir no aumento do consumo de energia e também da incidência de doenças respiratórias na população.

Conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os efeitos da ‘La niña’, que consiste no resfriamento das águas do oceano Pacífico, passaram e o ‘El niño’, que causa o aquecimento das águas, começa a atuar. “O rio está descendo e vários municípios estão tendo chuvas abaixo da média. Há a possibilidade de termos outra seca recorde este ano”, disse a chefe do 1º Distrito de Meteorologia do Inmet, Lúcia Gularte.

Ela esclarece, também, que as nuvens que vemos no céu da cidade não são de chuvas, mas provocadas por queimadas. “O ‘El niño’ muda a direção dos ventos, causando um desequilíbrio no clima. Mas, as nuvens que vemos nesses dias, são frutos de queimadas, provocadas pelo homem e órgãos ambientais devem estar atentos a essas ações”, analisou.

Temperatura

Para o Sipam, os meses mais quentes são setembro e outubro. Somente no final de outubro, quando acontece a transição para a estação de chuvas, as temperaturas tendem a baixar na cidade. “O fenômeno do ‘El niño’, talvez, esteja instalado dentro de dois meses, provocando menos chuvas. Então, as temperaturas vão aumentar ainda mais”, destacou o chefe da divisão de meteorologia do Sipam, Ricardo Dallarosa.

Para o meteorologista, as observações feitas por meio de imagens do satélite mostram que o fenômeno ‘El niño’ está começando a se instalar. “Para que ele se instale definitivamente, é preciso que as anomalias provocadas por ele na circulação atmosférica continuem atuando por mais semanas”, explicou.

Para Dallarosa ainda é cedo para afirmar que haverá seca recorde na região. “A situação que nós observamos por imagens do satélite até o último 24, mostra que o ‘El niño’ está em formação, mais vai precisar de alguns meses para se instalar”, falou, dizendo também que existem possibilidades.