Publicidade
Cotidiano
Notícias

Empresa do Polo Industrial de Manaus produz 200 mil tablets para abastecer o mercado

Samsung inaugurou, semana passada, a linha de produção do Galaxy Tab, que colocará no mercado nacional 200 mil tablets até o fim de 2012. Próxima linha será do Galaxy Note 26/08/2012 às 11:50
Show 1
Samsung Galaxy Tab 7.7 é a mistura ideal de tamanho e processamento. O aparelho também funciona como telefone, recebendo e efetuando chamadas
RODRIGO ARAÚJO Manaus

No Natal do ano passado, eles encabeçaram as listas de presentes do consumidor brasileiro, mas estavam caros demais por serem importados. Este ano, o cenário é diferente. Depois de uma intensa “guerra” entre Estados, por incentivos fiscais para atrair fabricantes, os tablets nacionais finalmente chegarão ao mercado interno e, entre eles, o Galaxy Tab da Samsung produzido no Polo Industrial de Manaus.

De acordo com o vice-presidente da Samsung, Benjamin Sicsu, empresa coreana iniciou semana passada a produção de tablets em Manaus, com a criação da linha de produção Galaxy Tab. “Nossa previsão é produzir 200 mil tablets até o final desse ano. Ou seja, o consumidor brasileiro já poderá comprar, nesse Natal, um tablet produzido no Polo Industrial de Manaus”, comemorou o executivo.

Durante entrevista concedida ontem ao programa de rádio “Bate-Papo”, com o senador Eduardo Braga, Benjamin Sicsu ressaltou que, com a abertura da nova linha de produção, a Samsung está chegando perto de gerar 7 mil empregos em sua planta industrial de Manaus.

“A Samsung instalou no Polo Industrial de Manaus a sua maior fábrica fora da Coreia. Esse ano, crescemos em mais de 30% o número de postos de trabalho gerados em nossa unidade industrial no Amazonas. Este ano, devemos chegar a 3 milhões de televisores e quase 9 milhões de telefones celulares produzidos no PIM”, informou Benjamin Sicsu.

O executivo parabenizou o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) pela luta no Congresso Nacional para viabilizar a produção de tablets no PIM. Braga foi relator da Medida Provisória 534, a conhecida “MP dos Tablets”, que regulamentou a fabricação do produto no País. “A determinação do senador foi decisiva para estarmos, hoje, fabricando tablets no PIM com competitividade”, disse Benjamin Sicsu.

Bons Resultados
O senador Eduardo Braga lembrou que a batalha para reinserir o Amazonas no mercado brasileiro de tablets foi dura, mas afirmou que os resultados foram positivos. “Nos enche de orgulho saber que nosso trabalho rendeu frutos e que, hoje, somente a Samsung será responsável pela produção de 10% do mercado nacional de tablets, que é de 2 milhões de unidades”, disse.

Ameaça
Na avaliação do executivo, a Adin ameaça não apenas as indústrias no Amazonas, mas sim toda a indústria nacional. “Essa ação não fará com que outros Estados brasileiros produzam televisores e motocicletas, na verdade ela vai encarecer esses produtos no País, deixando o produto nacional menos competitivo no mercado interno. O que nos preocupa é que não vamos perder emprego para outras regiões do Brasil, mas sim para outros países”, avaliou.

Adin deixa empresários apreensivos
O vice-presidente da Samsung revelou que a classe empresarial está apreensiva com relação à Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) impetrada no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo Governo do Estado de São Paulo contra o PIM.

Benjamin Sicsu explicou que, até o momento, a discussão sobre a questão tributária entre os Estados só se referia aos produtos de informática, num debate que vem se arrastando há mais de 20 ano. “Agora, o Governo do Estado de São Paulo questiona o incentivos fiscais dados a outros setores como o Polo de Televisores e de Duas Rodas”, alertou.

O executivo lembrou que alguns produtos no Brasil só são fabricados na Zona Franca de Manaus, pois recebem incentivos fiscais que os deixam competitivos no mercado nacional.

“Se esses incentivos forem retirados, acontecerão dois problemas: primeiro os preços vão subir e quem vai pagar a conta será o consumidor brasileiro, seja ele paulista ou de qualquer outra região do País; o segundo problema é que esses produtos mais caros passarão a sofrer a concorrência dos importados, o que configura uma séria ameaça ao produto nacional”, considerou.

Senador se reúne com Lula
Na tarde de sexta-feira, o senador Eduardo Braga esteve reunido com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para discutir uma estratégia de defesa para o PIM, com relação à Adin movida pelo Governo de São Paulo. O encontro aconteceu em São Paulo, no Instituto Lula.

Durante a reunião, o ex-presidente Lula se mostrou preocupado com a ameaça ao Polo Industrial de Manaus, já que estão em jogo os empregos de mais de 117 mil trabalhadores.

Entendimento
Ele orientou o senador Eduardo Braga a buscar um entendimento político com a presidenta Dilma Rousseff para resolver a situação sem danos para a indústria amazonense.

O senador Eduardo Braga deve reunir com a presidenta Dilma Rousseff ainda essa semana para discutir o assunto.