Publicidade
Cotidiano
Segurança

‘Estamos preparados para dar segurança ao País’, diz comandante-geral do Exército

Declaração sobre a segurança do Brasil após possível impeachment da presidente Dilma foi dada durante cerimônia de passagem do Comando Militar da Amazônia 15/04/2016 às 23:34 - Atualizado em 16/04/2016 às 10:20
Show 20160415193158
O comandante-geral do Exército na cerimônia de passagem do comando do CMA do general Guilherme Theophilo para o general Geraldo Antonio Miotto (Foto: Evandro Seixas)
Vinicius Leal Manaus (AM)

O Exército Brasileiro está preparado para dar segurança ao País caso seja necessário – após possível impeachment da presidente Dilma Rousseff. A declaração foi dada pelo comandante-geral do Exército, general Villas Bôas, na noite desta sexta-feira (15) em Manaus, durante cerimônia de passagem do novo comandante Militar da Amazônia (CMA).

“Estamos preparados, mas antes existe toda uma ritualística a ser seguida, que envolve a segurança pública de todos os estados. Temos a expectativa de até chegarmos a esse desenlaço as coisas andarão tranquilamente”, declarou. “Podemos ser empregados por iniciativa do presidente, do Poder Judiciário ou do Legislativo”, explicou Villas Bôas.

Para o general Villas Bôas, o Exército Brasileiro está empenhado em contribuir para a manutenção da estabilidade do País. “Entendemos que é uma condição importante para que as instituições funcionem e encontrem os caminhos para superarmos essa crise”, ressaltou o comandante-geral.

Agradecimento e desabafo

O Comando Militar da Amazônia (CMA) foi assumido por um novo comandante. O general Geraldo Antonio Miotto tomou o cargo, substituindo o general Guilherme Cals Theophilo, que passa ao Comando Logístico, em Brasília. A cerimônia de passagem, em Manaus, teve tom de despedida, agradecimento e também de desabafo.

Theophilo, que deixa o CMA após dois anos de trabalho, agradeceu a oportunidade, mas também fez um desabafo “por não ter feito mais pela Amazônia”, nas palavras dele, “por não ter conseguido firmar compromisso e comprometimento do resto do País com esta região tão rica e paradoxalmente tão carente”, disse.

“Infelizmente não obtive êxito em mostrar que o pré-sal está aqui em nossas mãos e nossos pés. Saio com uma dívida, que é fazer com que o restante do País olhe para nós de outra forma, que prestigiem a gente como fazem com o Sul do País, dando recursos para todos os órgãos que trabalham para a grandeza da Amazônia”, explicou.

O general Miotto, que retorna ao CMA após 20 anos, viu com satisfação e orgulho tomar o posto. “Estamos na última fronteira do País, e aqui o Exército tem uma missão importante, que é proteger essas fronteiras, proibir o narcotráfico, o contrabando de armas e proteger o meio ambiente. Vamos procurar dar continuidade a todo trabalho que nossos antecessores implantaram aqui”, ressaltou.