Publicidade
Cotidiano
LAÇO FORTE

Manter contato com amigos de infância torna o adulto mais feliz, aponta estudo

Se o coração há tempos não nega, a ciência veio para comprovar: ter amigos por perto afasta toda dor. Confira histórias de quem até hoje preza por esse sentimento 25/02/2018 às 11:31 - Atualizado em 25/02/2018 às 11:31
Show vida0125 50f
Juliana Holanda e Mayara Brilhante (Fotos: Arquivo Pessoal)
Mayrlla Motta Manaus (AM)

Inúmeros poetas, músicos e artistas já tentaram definir em suas obras o valor de uma amizade. Dentre tantas possibilidades podemos chegar a um denominador comum: ter um amigo por perto é a melhor opção, principalmente se o laço for antigo. Se o coração afirma, a ciência se posiciona ao nosso lado. Um estudo publicado no periódico Child Development apontou que dos 169 adolescentes entrevistados, aqueles que tinham contato com os amigos de infância demonstravam menor predisposição à depressão. E em tempos que essa doença é considerada o mal do século, a cura para os “dias maus” pode estar ao seu lado.

Na literatura, o escritor Cleber Galhardi lançou o livro “Cabeça de Melão e Cabeça de Abacate” para falar sobre amigos de infância. Na obra os personagens Kelvin e Beto passam por situações que os levam a compreender o sentido da amizade. Para o autor as experiências da infância colaborarampara escrever o livro. “Nossos amigos verdadeiros complementam nossa família. Em muitas situações somos socorridos por eles. Somos seres que precisamos da vida em sociedade, portanto, precisamos de pessoas por perto”, disse.

Na vida real

Para a jornalista Mayara Brilhante, 27, os amigos de infância são essenciais na nossa vida, pois eles acompanharam tudo que você passou no decorrer dos anos até chegar à fase adulta, sendo assim, eles são parte da sua história. Foi no jardim de infância do colégio La Salle em 1996 que ela conheceu Manuela Andrade , Yasmin Guimarães e Juliana Holanda. Posteriormente se juntaram ao quarteto Renata Caldas e Anna Paula Colares. Elas  se formaram juntas no colégio e prezam pela amizade até hoje. “Sem minhas amigas eu acho que não aguentaria muita coisa que ocorreu na minha vida. Elas foram e são fundamentais para o meu crescimento como pessoa porque são elas quem nos acolhem quando precisamos, são família”, define Brilhante. 


Elas se conheceram no colégio La Salle em 1996

Em 20 anos de amizade, Mayara acredita que o maior legado desse sentimento é o companheirismo. Ela morou por dois anos na Bélgica e sempre que voltava para o Brasil ficava um tempo com as amigas. “Sempre que possível conversávamos por áudio ou vídeo, nos momentos difíceis nós sempre estamos juntas. Hoje tenho certeza que não importa o que acontecer sempre podemos contar uma com a outra”, declara. 
 
Dupla infalível

Em janeiro de 2000, Samuel Lima e Jéssica Barroso se conheceram e como crianças amavam andar de bicicleta... E foi assim que surgiu uma amizade. Sempre juntos obtiveram conquistas, aprenderam coisas novas, enfrentaram dificuldades e venceram. Para memorar a amizade, Samuel Lima escolheu a amiga para ser a madrinha de casamento dele. Atualmente cada um tem sua família. Ele continua morando em Manaus e ela reside em Presidente Figueiredo.

Jéssica Barroso e Samuel Lima no baby chá do primeiro filho dela

“A intensidade da amizade continua intacta, mesmo com a rotina totalmente diferente de 18 anos atrás. Amo os filhos dela como se fossem meus sobrinhos de verdade. Não tem como não ver ela como uma jóia que se guarda no mais seguro baú, que é a vida”, afirma Samuel. 

Para Jéssica a maior prova de amizade foi quando ela teve depressão pós-parto após o primeiro filho e o amigo de infância foi a fonte de cura. “Na época não tinha quem me cuidasse ou ficasse comigo no resguardo, ele sempre estava por tentando me fazer sorrir, me ajudando a cuidar do Caleb. Não consigo imaginar uma vida sem meus amigos. Deus, amor e amizade são tudo”, finaliza.

Amizade em grupo

Há dez anos um grupo formado por oito crianças iniciaram uma amizade que dura até hoje. Italo, Emily, Rosely, Regiane, Rosiane, Yago, Lucas, Joel, Sthephanie e Elizafá se conheceram na igreja e em todos os dias de cultos e eventos religiosos eles estavam juntos. 

Amigos se conheceram na igreja e preservam a amizade até hoje

O estudante de jornalismo, Italo Matos é quem relembra as histórias. Almoçar juntos, jogar bola, assistir filmes ou apenas conversar eram as atividades favoritas do grupo. Eles cresceram e buscam manter o laço firme e forte.

 “Hoje já não temos os encontros tão frequentes como antes, afinal o trabalho, estudos e a responsabilidade de cada um acabou mudando o que por anos foi nossa rotina. Mas, temos uma data onde certamente sempre estaremos juntos, onde todos nós matamos a saudade, que é a comemoração do aniversário da filha de uma amiga que faz parte do grupo, pois todos nos tornamos tios”, diz Italo.

Publicidade
Publicidade