Publicidade
Cotidiano
Notícias

Ex-prefeito de Boa Vista do Ramos é preso durante operação da Polícia Civil

Elmir Mota foi afastado, em dezembro do ano passado, da Prefeitura de Boa Vista do Ramos e, em seguida, teve o mandato cassado por irregularidades na gestão pública 25/10/2012 às 08:46
Show 1
Elmir Lima Mota, ex-prefeito de Boa Vista do Ramos
acritica.com Manaus

A O ex-prefeito de Boa Vista do Ramos (a 270 quilômetros de Manaus), Elmir Lima Mota (PSD), o presidente da Câmara Municipal da cidade, Marlon Trindade (PT), e o secretário de Educação do município, Arnaldo de Oliveira Barros foram presos, nesta quarta-feira (24/10), pela Polícia Civil, durante a operação Torre de Babel, deflagrada no município sob a coordenação do delegado Mário Melo.

A operação resultou no cumprimento dos três mandados de prisão temporária e busca e apreensão. Eles são investigados por falsificação de documento público, uso de documento falsificado, formação de quadrilha, usurpação de função pública, dano qualificado, entre outros crimes.

Por conta da prisão, o prefeito Glauciomar Pimentel foi reconduzido ao cargo sob efeito de liminar e a vereadora Rosenilda foi reconduzida ao cargo de presidente da Câmara.

Os presos foram encaminhados ao 48º Distrito Integrado de Polícia (DIP), em Maués (a 247 quilômetros de Manaus), onde cumprem prisão temporária de cinco dias, com possibilidade de prorrogação por igual período, ou convertida em prisão preventiva.

No último dia 20, Elmir Mota invadiu a prefeitura, sem ordem judicial, e tomou posse a força, sob a alegação de que o documento que levou à sua cassação havia sido revogado pela Câmara Municipal.

Histórico

Em dezembro do ano passado, pela quarta vez em 12 meses, Elmir Mota havia sido afastado da prefeitura de Boa Vista do Ramos pela Câmara Municipal, acusado de irregularidades na gestão pública. À época, Marlon era presidente da Câmara e assumiu o cargo de prefeito.

Meses depois, em junho, Glaucimar Corrêa, que era vice-prefeito, tomou o lugar de Marlon, após decisão da desembargadora Maria das Graças Figueiredo, passando a comandar a prefeitura. A cassação de Elmir Lima ocorreu após a divulgação de um vídeo no qual ele entrega uma quantia de dinheiro em espécie (estimada em R$ 100 mil) para um vereador da base aliada, em um escritório em Manaus.

À época, ele alegou que estava sendo chantageado e por isso entregou o dinheiro. Em seguida, um outro vídeo mostrava o prefeito distribuindo dinheiro em uma casa no município. Ele alegou que tratava-se do pagamento de funcionários públicos da prefeitura.