Publicidade
Cotidiano
Notícias

Ficha Limpa: mais de 3 milhões de votos deixaram de ser computados nestas eleições

Essa foi a votação que deixou de ser computada pelo TSE porque os candidatos concorreram com o registro barrado pelo Tribunal Superior eleitoral  14/10/2012 às 10:39
Show 1
Aglomeração de eleitores em frente à Escola Estadual José Lindoso, na Zona Norte de Manaus
A Crítica Manaus

Mesmo concorrendo com o registro negado pela Lei da Ficha Limpa e outros problemas, como falta de documentos e atraso em pagamento de multas, quase 6 mil candidatos receberam 3,4 milhões de votos nas eleições de domingo passado, segundo levantamento  publicado no  Congresso em Foco.

O levantamento se baseou em informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e  mostra que boa parte dos candidatos barrados por decisões judiciais ainda estão sub júdice, esperando a análise de um recurso para reverter a decisão inicial.

 Em Manaus, 12 candidatos a vereador concorreram com o registro barrado pela Justiça Eleitoral. Juntos receberam 5.432 votos. O mais votado foi o radialista Alberto Pelegrine, que obteve 2.725 votos. Foi seguido de Jeová Souza com 819 votos. E Débora de Sena que teve 377 votos. José de Melo ficou com 330 votos. Alaide Braga com 248; Daniela Alexandra  com 225; Orlando Campos, com 202; Oswaldo da Silva com 114; Waldeniza Reis com 61; e  Cristovam Carlos com 52 votos.

 O candidato com o registro encrencado mais votado  em todo o País foi  Celso Giglio (PSDB). Deputado estadual, ele disputou a prefeitura de Osasco contra outros cinco candidatos. Giglio teve as contas da prefeitura de 2004 rejeitadas pelo Tribunal de Contas e pela Câmara de Vereadores. Mesmo barrado pela Ficha Limpa, Giglio teve votos suficientes para ter o melhor desempenho entre os candidatos em Osasco. Ele recebeu 149.579 votos contra 138.435 obtidos por Jorge Lapas (PT).

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).