Publicidade
Cotidiano
Notícias

Filiados a partidos políticos correspondem a 9% do total de eleitores amazonenses

PCdoB e PT são, respectivamente, as legendas com maior números de filiados no Estado do Amazonas 05/05/2012 às 19:35
Show 1
Partidos Políticos e o mapa dos números no Amazonas
FABÍOLA PASCARELLI Manaus

O Amazonas possui, hoje, 179.707 pessoas filiadas a 28 partidos políticos legalmente registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O número representa 9% do total de eleitores do Estado, que somam 2.028.122. Em outubro de 2011, eram 167.549 filiados e de lá até abril deste ano foram registradas 12.158 filiações partidárias. Os dados são do TSE.

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) aparece, no Amazonas, em primeiro lugar, com 19.363 filiados, seguido pelo Partido dos Trabalhadores (PT), com 16.290 filiações. Na terceira colocação está o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), com 12.739 filiados.

As legendas com menor número de filiados no Estado são: o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), com 936 filiados; Partido Pátria Livre (PPL), 186 filiados; e em último lugar aparece, de acordo com o TSE, o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU), com 115 filiações. O Partido dos Aposentados da Nação (PAN) não possui representação no Amazonas, informa o TSE. Os dados foram obtidos por meio do sistema Filiaweb, disponível na página do TSE na Internet.

Para calcular o número de filiados, o Tribunal Superior Eleitoral, por meio do sistema Filiaweb disponível na página do TSE na Internet (ww.tse.jus.br),  levaram em conta, além dos registros regulares, as filiações sub judice (a maioria é de casos de dupla filiação por conta de mudança de partido). Foram excluídas para esse levantamento as filiações com situação de registro cancelado.

O secretário-geral do Partido Social Democrático (PSD), Paulo Radin, explicou que a legislação não determina quantidade mínima de filiados para atuação dos partidos. “Até porque a filiação não é obrigatória”, ressaltou.

De acordo com o TSE, em nível nacional, os 29 partidos políticos filiaram 239.604 pessoas  em seis meses. Passaram de 14.847.410 filiados em outubro de 2011 para 15.087.014 em abril deste ano.

São Paulo é o Estado com o maior número de filiados a partidos, com 2.925.631 adesões. Minas Gerais está em segundo lugar, com 1.609.420, em seguida Rio Grande do Sul, com 1.296.935; e Rio de Janeiro, com 1.080.606 filiações.

Roraima, com 42.030, Acre, com 59.037, e Amapá, com 74.758, são os Estados com os menores números absolutos de filiados. No exterior, 1.241 brasileiros estão filiados a partidos no Brasil.

Nacionalmente, o PMDB tem o maior número de filiados (2.355.472), seguido pelo PT, com 1.549.180, e o PP, com 1.416.116 filiados. O PSD informou ter 173.855 filiados e o PPL, 13.921. Os dois partidos conseguiram registro no TSE em 2011.

O artigo 19 da ‘Lei dos Partidos Políticos’ (Lei nº 9.096/1995) determina que os partidos enviem à Justiça Eleitoral as relações atualizadas de seus filiados em abril e outubro de cada ano.

PSD estreia nas eleições deste ano

Com 3.708 filiados no Amazonas, este ano será a primeira vez que o PSD vai participar das eleições. Em todo o País, a legenda possui 173.855 filiações, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No Estado, a sigla é presidida pelo governador Omar Aziz. Comanda 16 prefeituras do interior amazonense e é a segunda maior maior, em primeiro está o PMDB, do senador Eduardo Braga, com 23 prefeituras. O PSD possui cinco vereadores na Câmara Municipal de Manaus (CMM), cinco deputados na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) e dois deputados federais.

O PSD nasceu, nacionalmente, com 48 deputados federais, dividindo o título de maior bancada na Câmara com o PSDB.

O partido idealizado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, foi criado em setembro do ano passado cercado de polêmicas. Segundo o portal Congresso em Foco, em novembro, das 144 mil filiações, 14%, ou 19.741, estavam sub judice.

Antes de ser oficializado, o PSD esteve envolvido em outros problemas. O Ministério Público Eleitoral (MPE) abriu investigação para saber porque a lista de apoiadores do novo partido continha nomes de pessoas mortas, assinaturas duplicadas ou mesmo reconhecidas como falsas pelos reais signatários.