Publicidade
Cotidiano
Notícias

Gastronomia do Amazonas viaja pelo País em projeto

A iniciativa promoverá uma série de encontros gastronômico-culturais ao redor do País, capitaneados pelo chef  catarinense Felipe Schaedler, do restaurante Banzeiro 21/02/2012 às 12:10
Show 1
Assinado por Schaedler, o cardápio do projeto tem pratos típicos como a costela de tambaqui
JONY CLAY BORGES Manaus

Tambaqui, pupunha, farinha do Uarini, pirarucu, pimenta de cheiro e outros sabores típicos do Estado vão ganhar as mesas de 10 cidades brasileiras ao longo deste ano, dentro do projeto “Conexões Brasileiras – Amazonas 2012”.

A iniciativa promoverá uma série de encontros gastronômico-culturais ao redor do País, capitaneados pelo chef  catarinense Felipe Schaedler, do restaurante Banzeiro. A primeira localidade a receber a turnê será Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, nos dias 3 e 4 de março.

Cada edição do projeto terá três encontros – almoço e jantar de sábado, mais almoço de domingo –, cada qual com um cardápio diferenciado. Todos os menus serão assinados por Schaedler, que apresentará detalhes do preparo de cada prato e do uso dos ingredientes amazônicos.

As reuniões terão a participação de chefs, estudantes de gastronomia e convidados de cada localidade, além de atrações culturais, promovendo um interessante intercâmbio de sabores e de saberes culinários e artísticos.

“Vamos trabalhar com ingredientes do Amazonas, mas alguns complementos a serem usados nos pratos serão da própria região. Sempre chegarei com dois dias de antecedência a cada cidade, para que possa conhecer produtores e fornecedores locais, assim como outros restaurantes e chefs”, acrescenta o catarinense, que há poucos meses participou de um intercâmbio gastronômico com ribeirinhos (veja Destaque).

Menu regional
No cardápio dos encontros, Schaedler reunirá pratos típicos da culinária amazonense e outras iguarias à base de ingredientes regionais no melhor estilo da cozinha contemporânea.

Um exemplo é a costela de tambaqui, que ele servirá acompanhada de cuscuz de farinha do Uarini defumada.

“Além disso, terá pupunha com emulsão de café, camarão empanado com farinha do Uarini e espuma de pimenta de cheiro. E também o meu favorito: o Trilogia de Pirarucu. É um prato em que o comensal pode experimentar as três formas do peixe numa só vez: defumado, fresco e salgado”, antecipa o chef.

Intercâmbios
O “Conexões Brasileiras – Amazonas” é uma iniciativa da Gravita Brasil Networking, que busca estimular o intercâmbio cultural entre os Estados do País e aquecer o mercado interno de turismo de entretenimento e negócios, a partir dos roteiros gastronômicos.

“Os brasileiros precisam se envolver mais com as riquezas do próprio País. Nada melhor que levar pedacinhos do Brasil, de um lado para outro, por meio dos sabores e dos saberes da culinária regional. É um trabalho desafiador, porém delicioso. Selecionamos os melhores chefs de cada região para esta jornada”, destaca Karin Gonçalves, que assina o projeto.

Escolhida para abrir o projeto, Petrópolis se firma como destino gastronômico e possui um público gourmet de alto nível. Mais tarde, a turnê gastronômica segue para Brasília (24 e 25 de março), Recife (28 e 29/4), Rio de Janeiro (12 e 13/5), Belo Horizonte (23 e 24/6), Campos do Jordão (SP, 14 e 15/7), São José dos Campos (18 e 19/8), São Paulo (22 e 23/9), Porto Alegre (27 e 28/ 10) e Trancoso (BA, 24 e 25/11).

Em evidência
Schaedler, que vive em Manaus há 10 anos, considera que o principal aspecto positivo do “Conexões Brasileiras – Amazonas” é difundir a culinária regional e colocar o nome do Estado em evidência no cenário gastronômico nacional.

“Hoje se fala muito do Pará, e é preciso que a gente coloque o Amazonas em cena. Aqui existe potencial e os sabores são maravilhosos”, defende o chef catarinense, que se declara feliz por fazer parte da iniciativa.

“É um trabalho que já foi iniciado por pessoas como Maria do Céu (Athayde, do Centro de Gastronomia da Amazônia), Selma (Reis, do Empório dos Reis) e outros, que há muito tempo buscam divulgar o Amazonas. Poder contribuir para isso, para mim, é um sonho, uma realização pessoal”.