Publicidade
Cotidiano
Notícias

'Gatos' correspondem à grande parte das mortes por acidentes com eletricidade no País

De acordo com o Corpo de Bombeiros do Amazonas, três são os perigos principais: curto-circuito, superaquecimento e choque elétrico 06/12/2012 às 10:49
Show 1
Poste recebe mais de 100 ligações clandestinas e tem rede sobrecarregada
acritica.com ---

As ligações clandestinas na rede elétrica, os  “gatos”, são altamente perigosas e correspondem à grande parte das mortes por acidentes com eletricidade no País e principalmente incêndios, segundo o major do Corpo do Bombeiros do Amazonas Frank Borges.
O major ressalta que os “gatos” se refletem em três riscos principais: curto-circuito, superaquecimento da fiação e choque elétrico. Ele explica que a ligação clandestina é feita sem os parâmetros básicos e sem nenhuma técnica que atenda as normas segurança do Brasil. “Uma casa que é abastecida por uma ligação clandestina está sujeita a ser incendiada se houver um superaquecimento da fiação ou curto-circuito”, disse.
As casas feitas de madeira e que ocultam ligações clandestinas são um agravante para incêndios. Borges destaca que em caso de curto-circuito ou superaquecimento da fiação a madeira de uma residência funciona como combustível para o fogo. “Incêndios causados por ligações clandestinas podem ser evitados se a rede for regularizada e o trabalho foi feito por um profissional”, disse.
Embora a concessionária Eletrobras Amazonas Energia tenha os registros de ligações clandestinas em toda a cidade, não é possível segundo ela, apontar os bairros campeões em “gatos” por conta das caracteristicas  de cada situação.
De acordo com a empresa, há situações que as ligações clandestinas na rede  são visíveis e de fácil identificação. No entanto, em outras situações existe a suspeita e faz-se  necessário uma inspeção para identificar a irregularidade.
Água
A empresa Manaus Ambiental, que substituiu a Águas do Amazonas no fornecimento de água na cidade foi procurada para comentar a situações de ameaças sofridas também por seus funcionários, mas não enviou resposta sobre o assunto até o fechamento desta edição.