Publicidade
Cotidiano
Crueldade no Zumbi

Vítima de assalto, grávida carrega bebê morto na barriga à espera de atendimento

Alcicleide Oliveira de Araújo ia para o nono mês de gestação, mas bebê morreu em função de chutes que mãe levou na barriga 16/03/2018 às 18:36 - Atualizado em 16/03/2018 às 20:31
Show vitima
Alcicleide Oliveira de Araújo, 28, foi mais uma vítima da violência em Manaus / Foto: Reprodução
Paulo André Nunes Manaus (AM)

A administradora de empresas desempregada, Alcicleide Oliveira de Araújo, 28, foi mais uma vítima da violência em Manaus, de uma forma ainda mais cruel e desumana. Gestante, ela foi agredida por assaltantes por volta do meio-dia da última quinta-feira, na rua Padre Marcelino Champagnat, Zumbi dos Palmares, Zona Leste. Levou dois chutes em sua barriga e o bebê de oito meses que ela trazia acabou morrendo. O bebê, morto, seguiu na barriga dela até a transferência para a Maternidade Ana Braga.
 
Os parentes dela ficaram inconformados, segundo eles, porque ela estava há cerca de 24 horas na maternidade sem ser atendida. “A internação dela para ter o bebê seria na quinta-feira, mas no percurso para fazer a última consulta em uma clínica foi abordada por dois infratores em uma moto. O garupa fez ela tirar o cordão de ouro e o outro, quando viu que ela não tinha dinheiro na maleta que trazia, deu um chute na barriga dela, desferindo outro logo depois após ela já estar agonizando, então fugiram”, comentou uma familiar, aflita.

“Ela foi trazida às pressas para a Maternidade Ana Braga, deu entrada às 13h e nada havia sido feito até o a tarde desta sexta-feira. Ela estava em uma sala de observação e em acompanhamento mas sem qualquer procedimento. Nós nos revoltamos e decidimos chamar a imprensa, até que começaram a atendê-la e a levaram para outra sala de atendimento e pediram roupas novas para ela, às 14h45. Falaram na maternidade que ela estava sendo acompanhada e tomando medicação para dilatar a abertura, mas é preciso cuidado pois ela é diabética. Seria o segundo filho dela”, disse a parente, que preferiu não se identificar. 

Segundo familiares de Alcicleide, outras duas mulheres estão internadas na Maternidade Ana Braga  também com bebês mortos em seu interior e, segundo eles, “sem qualquer solução por parte da instituição hospitalar”.

Uma outra parente de Alcicleide faz um apelo para que os órgãos de segurança reforcem o policiamento no bairro do Zumbi. “É de dar tristeza: os bandidos estão tomando de conta”, afirmou a familia da vítima.

Outro lado

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) explicou em nota que a maternidade seguiu o protocolo padrão para evitar uma cirurgia cesariana. A direção da maternidade informou que seguiu o protocolo padrão para este tipo de atendimento, por meio do qual a expulsão do feto é estimulada nas primeiras 24 horas, sob medicação de 6/6h, a fim de evitar a cesariana, uma vez que a paciente é diabética. A paciente ainda está na sala de parto.

Publicidade
Publicidade