Publicidade
Cotidiano
Notícias

Governador decreta Situação de Emergência na capital e em 11 municípios do interior

Para amenizar os danos, governador destaca que haverá duas frentes de atuação. A primeira será um trabalho de conscientização, e a segunda, a formação de brigadistas voluntários 13/10/2015 às 14:21
Show 1
O governador salientou que o decreto de Situação de Emergência teve como base o parecer técnico elaborado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), o Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas e a Defesa Civil do Estado
Silane Souza Manaus (AM)

Por conta dos efeitos climáticos, como a baixa quantidade de chuvas e as queimadas, o Governo do Amazonas decretou Situação de Emergência na capital e em 11 municípios do interior. O decreto, que abrange Manaus, Autazes, Caapiranga, Careiro, Careiro da Várzea, Iranduba, Itacoatiara, Manacapuru, Manaquiri, Novo Airão, Presidente Figueiredo e Rio Preto da Eva, foi assinado na manhã desta terça-feira, 13, pelo governador José Melo, e tem vigência de 90 dias.

O governador salientou que o decreto de Situação de Emergência teve como base o parecer técnico elaborado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), o Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas e a Defesa Civil do Estado, considerando vários fatores. Entre eles, os eventos climatológicos de larga escala que teve como efeito negativo a redução significativa da precipitação pluviométrica na região Amazônica, bem como o aumento de focos de incêndio na região.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), a incidência de focos de calor na Amazônia aumentou em tono de 80% em relação ao ano de 2014 e, no Amazonas, houve um crescimento de 89% no mesmo período. De janeiro a outubro deste ano, conforme o Inpe, foram registrados 12.103 focos de queimadas e incêndios em todo o Estado, 1.063 só no período de 1 a 13 deste mês.

Os prejuízos para o Estado são tanto de ordem econômica, quanto ambiental. Também impacta na saúde pública e nos planejamentos que os municípios fizeram para superar a crise, visto que terão que destacar recurso de uma área para socorrer a questão da queimada. “Por isso, tivemos que baixar o decreto de Situação de Emergência, para que os municípios possam ter esboço legal para tomar medidas emergentes e excepcionais para podermos enfrentar esse combate as queimadas”, disse Melo.

O governador destacou que haverá duas frentes de atuação. A primeira será um trabalho de conscientização, e a segunda, a formação de brigadistas voluntários. “Nós vamos utilizar a nossa estrutura da educação para fazermos um trabalho pedagógico junto à população e as escolas para que possamos minorar a situação que estamos vivendo hoje e também construir uma situação diferente para o futuro. Também vamos formar brigadistas para ajudar o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil no combate a esses focos de incêndios”, revelou.

O chefe de meteorologia do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), Ricardo de La Rosa, ressaltou que as condições provocadas pelos efeitos climáticos devem continuar pelos próximos três meses devido ao El Niño. Porém, com menos intensidade.

“O El Niño reduz o quadro chuvoso na nossa região e favorece a condição de seca, mas não deve continuar da mesma forma que tem ocorrido porque agora teremos o início da estação chuvosa. Mas a previsão é de chuva abaixo da média”, frisou.

As Ações Emergenciais de Prevenção e Controle a Queimadas e Incêndios Florestais já vêm sendo realizadas pelo Grupo Estratégico instalado no Estado. Entre as estratégias de prevenção estão a Criação do Centro Integrado de Monitoramento Ambiental, formado pela Sema, Batalhão Ambiental, Bombeiros, Defesa Civil e as prefeituras municipais, bem como a implantação da Sala de Situação de Controle e Monitoramento Ambiental, ambos funcionando na sede da Sema.

Com a Situação de Emergência, os municípios atingidos poderão pedir recursos ao governo federal para ajudar no enfrentamento da situação, além de poder comprar, sem o processo burocrático de concorrência pública, equipamentos ou serviços necessários para combater os focos de incêndios na região.