Publicidade
Cotidiano
Notícias

Há 44 dias atrás das grades, Adail Pinheiro aguarda julgamento

Prefeito de Coari, preso por dois pedidos de prisão preventiva, enfrenta 14 processos na Justiça estadual, por exploração sexual de menores e corrupção e não tem previsão de sair atrás das grades 24/03/2014 às 21:18
Show 1
Adail enfrenta cinco processos por exploração sexual de menores e outros nove por corrupção e mau uso de verbas públicas
Renildo Rodrigues Manaus (AM)

Com 44 dias da apresentação voluntária do prefeito de Coari, Adail Pinheiro, à Delegacia Geral de Polícia Civil, em Manaus, o político amarga a ideia de não poder sair tão cedo, depois de ter dois habeas corpus negados e a prisão reforçada por um segundo pedido do desembargador Rafael Romano.

Réu em 14 processos no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e afastado do cargo, Adail está detido em uma cela do Comando de Policiamento Especializado (CPE) da PM, localizado no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste de Manaus, em um corredor dividido com outros presos em situação especial, entre eles o filho do falecido deputado Wallace Souza, Raphael. O regime diferenciado é prerrogativa de Adail, que é prefeito, o que, segundo o artigo 295 do Código de Processo Penal, lhe dá direito a solicitar prisão especial e cela individual.

As condições do alojamento, porém, são consideradas precárias pela defesa, que também alega que a detenção é ilegal. “O Estado está autorizado a tirar a liberdade, mas não a dignidade do preso, porém, é o que acontece. Nenhuma prisão brasileira atende aos requisitos da LEP (Lei de Execuções Penais). A prisão do prefeito foi arbitrária e sem fundamentação, e só aconteceu por causa da influência da imprensa. O prefeito Adail teve a prisão decretada pela mídia”, acusa o advogado Roosevelt Jobim Filho, que trabalha na defesa do político, em referência à grande repercussão das denúncias sobre uma rede de exploração sexual de menores montada em benefício do prefeito.

Acusações

Exploração sexual de menores é a mais grave, mas não a única acusação que pesa sobre o gestor de Coari. Dos 14 processos correndo na Justiça estadual, cinco tratam do assunto, enquanto outros nove versam sobre corrupção e mau uso do dinheiro público. A gravidade e a repercussão dos casos levaram o TJAM a acatar o pedido do MPE e determinar a prisão preventiva de Adail, alegando que a liberdade de ação do prefeito e a estrutura de poder montada em torno dele poderiam atrapalhar o rumo das investigações.

A prisão preventiva não tem prazo determinado para acabar, segundo o promotor do MPE, Fábio Monteiro. “Na Lei brasileira, a prisão preventiva tem a duração determinada pelo processo. Ela pode durar enquanto estiver acontecendo a instrução criminal, mas não pode ir além dela. Além disso, se os procedimentos estiverem se estendendo por um prazo maior do que a Justiça considere razoável, ela pode ser revogada”. Este último exemplo foi ilustrado com a liberação, pela Justiça, dos vinte acusados de estelionato presos pela Operação Gaia, na última sexta-feira (21).

A defesa de Adail já entrou com dois pedidos de liberdade provisória, mas eles foram negados pelo desembargador Rafael Romano, que foi o responsável pelo segundo pedido de prisão de Adail, em 14 de fevereiro, complicando ainda mais a situação do prefeito.

Além dele, também estão presos, acusados de fazer parte da rede de exploração sexual em Coari, o chefe de gabinete de Adail, Eduardo Jorge de Oliveira Alves, o secretário de Terras e Habitação do município, Francisco Erimar Torres de Oliveira, e os servidores Alzenir Maia Cordeiro, Elias do Nascimento Santos e Anselmo do Nascimento Santos.