Publicidade
Cotidiano
Notícias

Haitianos em Brasileia usam nova rota de imigração ilegal para o Brasil

Os haitianos também costumam entrar no Brasil por Tabatinga, no Amazonas. O município faz fronteira com a Colômbia 19/08/2012 às 16:58
Show 1
Haitianos estavam abrigados em uma igreja pentecostal localizada na Avenida Brasil
Marcos Chagas/Agência Brasil Brasília

 Uma nova rota de imigração de haitianos para o Brasil foi utilizada pelas 35 pessoas originárias do Haiti que se estabeleceram em Brasileia (AC). Diferentemente do que fizeram os que se aventuraram no primeiro semestre com pacotes oferecidos por “coiotes” (agenciador de imigrantes ilegais) haitianos, esses chegam em pequenos grupos para não chamar a atenção do policiamento de fronteira.
Os haitianos, agora, aguardam a liberação de um CPF do país para poder ingressar legalmente e trabalhar. A rota mais utilizada agora é feita também com o apoio de “coiotes”.

Nessa rota, os haitianos viajam de avião da República Dominicana para a cidade boliviana de Ibéria e caminham 8 quilômetros pela mata da Amazônia até Cobija. A cidade, também boliviana, faz fronteira com Brasileia, no Brasil, e tem duas pontes sobre o Rio Acre, que podem ser atravessadas tranquilamente.

Nos dois dias em que a reportagem da Agência Brasil passou em Brasileia não foi visto policiamento de fronteira do lado brasileiro nas duas pontes. Comerciantes estabelecidos próximos à ponte disseram que é por causa da greve da Polícia Federal.

Os primeiros grupos de haitianos chegaram no final de junho e, a partir daí, outros pequenos grupos, como a família de Obelca Jules, último a ingressar em Brasileia, tem aparecido de forma “picada”, disse à Agência Brasil o representante do governo do Acre na cidade, Damião Gomes Melo. Eles ainda usam as duas rotas mais visadas pelo policiamento de fronteira.

Esses caminhos foram utilizados pelos 2,7 mil haitianos que ingressaram em Brasileia no primeiro semestre, já com documentação legalizada pelo governo brasileiro. Na primeira rota, os haitianos partem de avião, com a ajuda dos “coiotes”, da República Dominicana para o Panamá. De lá, também de avião, seguem para Quito (Equador).

A partir daí, explicou Damião, a viagem passa a ser feita de ônibus até a fronteira do Equador com o Peru. Eles passam por Lima, Cuzsco, Puerto Maldonado, Ibéria, com destino a Iñapari. Por essa rota, agora monitorada pela Polícia Federal e Força Nacional, os haitianos tentam entrar na cidade brasileira de Assis Brasil (AC) e seguir para Brasileia, onde têm um suporte melhor.

Outra rota oferecida pelos “coiotes” prevê viagem de avião direto da República Dominicana, país que divide a Ilha de São Domingos, na América Central, com o Haiti, até Quito. De lá, os haitianos viajam de ônibus para Letícia, na Colômbia, onde entram por Tabatinga, no Amazonas, pela Ponte da Amizade.

Da cidade amazonense de fronteira, os haitianos geralmente viajam para Manaus e “seguem para onde eles querem”, disse Damião Borges. Ele destacou, no entanto, que a rota é pouco utilizada dada a intensa vigilância de fronteira.