Publicidade
Cotidiano
Notícias

Indústria recua e consumo de energia reduz quase 3% no AM

Enquanto a indústria reduz ritmo, a classe residencial teve crescimento de 8,06% e a comercial de 20,74% 21/07/2015 às 13:36
Show 1
Governo trabalha com sobra de energia
Cinthia Guimarães ---

Com a produção acumulando queda de 17,3% de janeiro a maio de 2015, além da redução no número de empregados o setor industrial do Amazonas consequentemente tem retraído seu consumo de energia elétrica. Motivo disso é que no primeiro semestre deste ano o setor industrial apresentou queda de 2,97% no consumo de energia, em comparação ao primeiro semestre de 2014, de acordo com a tabela de consumo por classe da Eletrobras Distribuição Amazonas. Em nível nacional, a indústria acumula queda de 1% de janeiro a maio, na comparação com os cinco primeiros meses do ano passado.

No Amazonas, a indústria corresponde a um terço (29,07%) de participação entre os consumidores do sistema elétrico regional, enquanto a classe residencial fica com 31,37% e a comercial com 20,74%. Enquanto a indústria baixou o consumo, a classe residencial apresentou crescimento de 8,06% e o comércio teve alta de 4,66%.

Para indústrias componentistas, a energia representa de 2% a 3% dos custos fixos da empresa. “No bem final pesa menos. É um insumo considerável, principalmente quando se olha a qualidade dessa energia. Já faz tempo que temos o fornecimento regular de energia, mas a qualidade da distribuição é ruim, existe muita queda. Assim como cidadão sente muito em casa, nós também sentimentos”, explicou o presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco.

O ultimo reajuste para consumidores do Amazonas foi aplicado em novembro de 2014, sendo de 15,83% para residenciais e de 22,6% para a indústria.

Pico de demanda

A Eletrobras Distribuição Amazonas informou que a demanda maior de consumo de energia elétrica (pico de consumo) costuma ocorrer no mês de outubro, período de auge do verão amazônico, quando as pessoas usam mais aparelhos eletrônicos e quando a indústria costuma aumentar sua carga produtiva para atender às encomendas de fim de ano ao comércio.

No ano passado, o crescimento no consumo de energia neste período em relação a 2013 foi de 6,9%. A previsão para ponta de carga em 2015, que possivelmente ocorrerá em outubro, é de 6,5% em relação a 2014.

MME diz que oferta cresceu

O governo tem sofrido críticas de que o setor elétrico só não enfrentou problemas este ano com a queda nos níveis dos reservatórios das usinas hidrelétricas por falta de chuvas no Sudeste porque houve redução no consumo do setor industrial em todo o País.

O Ministério de Minas e Energia, por sua vez, ressaltou que a oferta de energia cresceu, uma vez que é dimensionada conforme as projeções para o crescimento da carga previstos, com sobra de energia. Segundo o MME, mais de 6 mil MW (megawatt) de geração nova acrescentados ao sistema no ano passado. Neste ano, já entraram mais 3.088 MW de capacidade de geração.