Publicidade
Cotidiano
Notícias

Internautas divergem sobre linchamento e morte de assaltante

O linchamento seguido de assassinato de um suspeito por roubo no Centro de Manaus chocou alguns internautas, que se manifestaram por meio de comentários. Para cientistas sociais a notícia é reflexo da descrença social nas instituições públicas. Eles lembram ainda que práticas violentas podem esconder injustiças 10/10/2012 às 17:58
Show 1
Suspeito de roubo foi espacando por grupo de pessoas no Centro Comercial de Manaus
Bruno Strahm Manaus (AM)

O caso que envolve um suspeito de assalto morto por populares revoltados, no Centro de Manaus, foi um dos assuntos mais comentados pelos internautas do Portal acrítica.com, nesta quarta-feira (10). A história chocou os leitores e abre uma discussão sobre a atitude tomada pelos populares.

O assassinato ocorreu na manhã de terça-feira (9), após o suspeito ter cometido um suposto crime. Um grupo de pessoas o perseguiu, e o espancou violentamente com pauladas até seu desmaio e consequente morte.

A notícia do homem despertou as mais diferentes opiniões a respeito. Houve os que condenassem a atitude dos populares e os que demonstraram total apoio à ação dos mesmos.

Comentários

Em um comentário, a internauta Daiana Pimenta mostrou-se chocada. “Que horror é violência gerando mais e mais violência a intolerância hoje impera as pessoas não tem mais nem o direito a um julgamento já são violentamente assassinadas. Sei que se trata de um criminoso, mas até ele tem o direito a misericórdia e a um julgamento”.

“Não recomendo fazer justiça com as próprias mãos, até porque pode acontecer equívoco, mas este episódio mostra o quanto a sociedade está saturada com ladrões e bandidos e o poder público não responde a altura. Direitos humanos pra bandido sempre tem”, comentou Silas Cabral.

Quem já sentiu na própria pele a violência urbana, como o internauta Tiago Costa afirma ter sofrido, chega a apoiar a violência. “Para quem já sofreu vários assaltos nesta cidade sem segurança é aceitável esta atitude. Acredito que a população fez o que deveria, fazer com que os outros bandidos pensem duas vezes antes de praticar esses atos na cidade. Se a policia não faz tem quem o faça...”, comentou o internauta Tiago Costa.

Fim da tolerância, descrédito e injustiça  

Para o antropólogo Jeffrey Miller, a atitude dos populares indica um final de linha da tolerância. “As pessoas não tem qualquer confiança no poder público nos dias de hoje. Esta descrença nas instituições de segurança faz com que elas prefiram executar a justiça com as próprias mãos do que esperar pelos meios legais”, analisa Miller.

O sociólogo Gilson Gil, professor doutor da Univeridade Federal do Amazonas (Ufam), afirma que as instituições públicas de segurança - não apenas a polícia –, passam por um estado de falência.

“Manaus vive uma onda de criminalidade, e a violência é a primeira característica percebida. Quando a população toma este tipo de atitude é porque elas querem reagir de uma forma substantiva e imediata. A descrença não é apenas com a polícia, mas com todo o aparato judicial do Brasil: prisões, Ministério Público e a Justiça”, afirma o Gil.

Ainda segundo ele, a situação ocorrida terça-feira é grave. “Quando confrontadas com ações violentas, a tendência da população é tomar uma atitude drástica nos dias de hoje. Mas isto é grave, pois pessoas podem cometer erros, acusar alguém injustamente e condenar algum inocente à morte. Este é o papel que o sistema de justiça deveria cumprir”, finaliza o professor.