Publicidade
Cotidiano
Notícias

Intolerância religiosa: Polêmica vai além das salas de aula

Confusão em escola motivou denúncia a secretarias nacionais. Alunos evangélicos se recusaram a fazer um trabalho interdisciplinar sobre a cultura afro-brasileira 12/11/2012 às 07:40
Show 1
Na sexta, após protesto dos alunos, representantes da OAB e de entidades de classe se reuniram com professores da escola
Náferson Cruz ---

O coordenador-geral da Coordenação Amazônica da Religião de Matriz Africana e Ameríndia (Carma), Alberto Jorge Rodrigues, vai solicitar a fiscalização e o acompanhamento dos alunos evangélicos da escola estadual Senador João Bosco de Lima, na Cidade Nova, Zona Norte, que se recusaram a fazer um trabalho interdisciplinar sobre a cultura afro-brasileira.

Os alunos entendem que o trabalho passado a eles “faz apologia ao satanismo e ao homossexualismo”, proposta que contraria a crença deles.  O documento será protocolado hoje junto às secretarias de Direitos Humanos e da Políticas da Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República, em Brasília.

O coordenador da Carma, Alberto Jorge, lamentou o episódio e o classificou como um desrespeito aos descendentes afros que tiveram um importante papel para a construção do País. “Isso é apenas a ponta de um iceberg, há uma guerra religiosa oculta e, por trás de tudo isso, há vários segmentos envolvidos, propagando o preconceito e racismo institucional”, disse.

Alberto Jorge contou que participava do 1º Encontro das Culturas Negras, em Salvador, onde se discutiu uma série de ações em prol da memória e consciência negra, quando soube do ocorrido. Na oportunidade, ele relatou o fato num discurso para uma platéia formada por especialistas, acadêmicos e artistas, o que rendeu debate entre os participantes. “Isso não pode ser tratado como um fato simples, pois estamos lidando com a formação de valores e difusão de cultura, que acontecia de maneira perene e que contribuiu demais para a visibilidade das comunidades afrodescendentes no País”.

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).