Publicidade
Cotidiano
Notícias

Junta Comercial registrou a abertura de 3,9 mil empresas

As estatísticas são negativas se comparadas com os registrados no mesmo período em 2011.Para especialistas, não estão sabendo gerir os negócios 24/08/2012 às 08:09
Show 1
Para abrir uma empresa, é preciso passar pela Jucea, Receita Federal, onde é gerado o CNPJ, além da Sefaz e Prefeitura
Renata Magnenti ---

Nos sete primeiros meses deste ano o Amazonas registrou a abertura de 3.977 novas empresas e a extinção de 895, segundo dados da Junta Comercial do Estado (Jucea). Ano passado foram abertas 3.845 empresas entre janeiro a julho, uma diferença de 132 unidades em relação a este ano, o que resulta em um crescimento sazonal de 3,4%.

No entanto, ambas as estatísticas são negativas se comparadas com os registrados no mesmo período em 2011. Para especialistas amazonenses, há bons produtos e ideias, mas não sabem gerir os negócios.

Este ano, de acordo com a Jucea, o destaque foi registrado em março e respondeu por 630 novas empresas, sendo 416 empresas individuais, 198 limitadas, 11 Eirelis, três cooperativas e duas sociedades anônimas. No mesmo mês, em 2011, foram abertas 513 empresas.

Em 2011, o mês que teve maior registro de abertura de empresas foi maio, com um total de 605 unidades, sendo 392 na categoria de empresa individual, 207 limitada, três cooperativas e duas sociedades anônimas. No mesmo mês deste ano, foram abertas 624 unidades, sendo 400 na categoria de empresa individual, 188 limitada, 31 Empresas Individuais de Responsabilidade Limitada (Eireli), duas cooperativas e uma sociedade anônima.

Extinção

Diante dos dados de abertura de empresas é possível notar que houve um crescimento de 2011 para 2012. Esse crescimento, também é constatado quanto se analisa a quantidade de empresas extintas.

De janeiro a junho de 2011, foram fechadas 795 empresas. Somente empresas individuais foram 624. No mesmo período deste ano, foram fechadas 895, um crescimento de 12,5% em relação ao ano passado. Mais de 700 empresas individuais fecharam as portas.

Para a responsável pelo setor de Tecnologia da Informação da Jucea, Edna Pedrosa, os dados computados refletem a oscilação e insegurança do mercado nacional.

Ela disse ainda que o crescimento na abertura de novas empresas é decorrente da criação da nova natureza jurídica Eireli, onde a empresa é constituída por uma única pessoa titular da totalidade do capital social.