Publicidade
Cotidiano
Notícias

Justiça decreta prisão preventiva de corinthianos na Bolívia

O Itamaraty informou que a prisão preventiva não tem prazo determinado a ser cumprido. Disse que enviou hoje (22) a Oruro o ministro-conselheiro da embaixada brasileira na Bolívia, Eduardo Saboia 23/02/2013 às 15:47
Show 1
Os torcedores são acusados de estarem envolvidos direta e indiretamente na morte de Kevín Beltran Espada
Agência Brasil / Flávia Albuquerque São Paulo

A Justiça boliviana decretou a prisão preventiva de 12 brasileiros detidos na cidade de Oruro no último dia 20. O grupo é investigado pela morte do boliviano Kevin Douglas Beltrán Espada, de 14 anos, atingido por um sinalizador disparado por torcedores no Estádio Jesús Bermudez, onde San José e Corinthians jogavam pela Copa Libertadores da América.

O Itamaraty informou que a prisão preventiva não tem prazo determinado a ser cumprido. Disse que enviou hoje (22) a Oruro o ministro-conselheiro da embaixada brasileira na Bolívia, Eduardo Saboia. Ele vai se encontrar com autoridades do Poder Judiciário e do Ministério Público. Além de Saboia, o Itamaraty mantém em Oruro um agente consular e um consultor jurídico para auxiliar os brasileiros.

De acordo com decisão da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), que organiza a Copa Libertadores da América, o Corinthians não poderá ter torcedores acompanhando os seus jogos no torneio Taça Libertadores por até 60 dias, período em que deve haver o julgamento do caso no Tribunal Disciplinar da Confederação.

A direção do Corinthians informou recorrerá da decisão. “A medida fere não só o clube, mas, principalmente, os mais de 80 mil torcedores que perderão o direito, adquirido de forma antecipada, e que não merecem tal pena”, diz em nota.