Publicidade
Cotidiano
Notícias

Maior prazo de financiamento deve expandir produção de castanha em Lábrea (AM)

Com o aumento do prazo de financiamento junto a Afeam, os produtores poderão comprar castanha, o que garantirá um salto de quatro toneladas por nove meses 28/04/2015 às 16:14
Show 1
Durante o período da safra, a agroindústria gera 80 empregos diretos e envolve mais de 500 produtores
acritica.com ---

O governo do Estado do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror/Am),  fará investimentos na agroindústria de castanha no município de Lábrea (distante a 702 km de Manaus). Com o aumento do prazo de financiamento junto a Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) os produtores poderão comprar castanha, além de Lábrea, dos municípios de Canutama e Tapauá, o que garantirá um salto de beneficiamento saindo de 600 kg de castanha por três meses, para quatro toneladas por nove meses.

No último dia 25, em Lábrea, o secretário de estado da produção Rural, Sidney Leite, acompanhado do presidente da Idam, Edimar Vizolli, e do diretor-presidente da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal Estado do Amazons (Adaf), Sérgio Muniz visitou a Associação dos Produtores Agroextrativista da Colônia do Sardinha, que mantém uma agroindústria da castanha.

Durante o período da safra, a agroindústria gera 80 empregos diretos e envolve mais de 500 produtores. Segundo Leite, hoje o Amazonas produz em torno de 11 mil toneladas de castanha, mas não consegue beneficiar 20%.

“Nossa ideia é que com iniciativas como essas da cooperativa, nós possamos ampliar agroindústrias. Vamos sair de um beneficiamento de 600 kg para quatro toneladas por dia. Nós já conversamos com o presidente da Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) e vamos alongar o prazo do financiamento. Com isso a cooperativa poderá comprar castanha não só de Lábrea, mas também de Canutama e Tapauá”.

‘Kit Seringueiro’

Ainda em Lábrea, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror/Am) e do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Floresta Sustentável do Amazonas (Idam), entregou, no último dia 25, 300 kits sangria para seringueiros do município de Lábrea (distante 702 quilômetros de Manaus). O kit é composto por 400 tigelas, 400 bicas, quatro lâminas de sangria, balde e lanterna de cabeça.

Em 2012, o município de Lábrea produziu 70 toneladas de látex. Em 2013, 80 toneladas e em 2014, 69,6 toneladas. Segundo o titular da Sepror/AM, Sidney Leite, a entrega dos kits é apenas o primeiro passo dos investimentos previstos para a atividade.

“O kit que estamos entregando a cada produtor é uma coisa muito mínima do que estamos querendo fazer com a seringa. Mas, antes de tudo, precisamos ver qual o potencial da demanda, estudar e ver qual a melhor alternativa, mas, uma das certezas é de que estamos querendo atrair investidores de fora para administração de uma agroindústria no Estado”, comentou o secretário.

O secretário ressaltou ainda que as estradas vicinais que dão acesso aos seringais serão melhoradas e que terá reuniões junto a Embrapa para discutir parcerias na área de melhoria de material genético das seringueiras.

No total, o Projeto de Revitalização da Produção da Borracha, envolve mais de 2 mil famílias em 25 municípios. Os 300 seringueiros beneficiados com o kit foram cadastrados previamente pelo Idam.

No município, a comitiva da Sepror visitou ainda os tanques de produção de peixe e participou da inauguração do Frigorífico Dona Raimunda. Estabelecimento teve o apoio da Adaf e Sepror e atende todas as normas ambientais e sanitárias e que possui a capacidade de cem gados por dia.