Publicidade
Cotidiano
Notícias

Mais de 6 mil profissionais vão trabalhar na correção das redações do Enem

Entre os demais avaliadores, 229 atuam como supervisores, 12 como coordenadores de banca e 462 como auxiliares de supervisão 06/11/2012 às 10:27
Show 1
Enem é hoje a principal alternativa de acesso ao ensino superior no país
Heloisa Cristaldo - Agência Brasil Brasília

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou nesta terça-feira (6), que 6.386 profissionais atuarão na correção das redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012. Desse total, 5.683 trabalharão diretamente com os 4,1 milhões de redações que serão corrigidas neste ano. O exame foi realizado no último fim de semana (dias 3 e 4) para estudantes de todo o país.

Entre os demais avaliadores, 229 atuam como supervisores, 12 como coordenadores de banca e 462 como auxiliares de supervisão. De acordo com o presidente do Inep, Luiz Cláudio Costa, esses servidores trabalham para garantir a qualidade da correção das redações.

A partir desta edição do Enem, os alunos terão acesso às redações corrigidas para fins pedagógicos a partir de 15 de fevereiro de 2013, no site do Inep. Entretanto, os candidatos não poderão usar esse acesso como base para recursos na comissão organizadora da prova. O resultado final do exame será divulgado três semanas antes da abertura de acesso à redação, no dia 28 de dezembro.  

“Nós estamos garantindo a ele [candidato] todos os recursos na correção para que tenha tranquilidade. E,  tendo a nota, poderá reorientar-se, porque esse é o processo educativo. Tenha ele entrado na universidade ou não”, explicou Costa.

Todos os profissionais envolvidos na correção da redação passam por um segundo treinamento presencial e a distância desde ontem (5) até a semana que vem, dia 14. Segundo Luiz Cláudio, o treinamento prepara os corretores para avaliar o tema deste ano: O Movimento Imigratório para o Brasil no Século 21. A partir do dia 15 de novembro, as redações dos candidatos já começam a ser corrigidas.

O número de corretores de redação foi ampliado em 40% para o Enem 2012. Dois professores avaliarão o desempenho dos alunos, que podem receber até 200 pontos para cada uma das cinco competências (domínio da norma padrão da língua portuguesa, compreensão e desenvolvimento do tema utilizando várias áreas do conhecimento, construção e defesa de um ponto de vista, construção de argumentação e proposta de intervenção para o problema, respeitando os direitos humanos).

Havendo divergências acima de 200 pontos em todas as competências somadas ou superior a 80 pontos em qualquer um dos cinco itens avaliados, a prova será corrigida por um terceiro avaliador. No caso, a nota final será a média aritmética das duas notas totais que mais se aproximarem.

O Inep estima que 1,2 milhão de redações passem pela terceira avaliação. Caso ainda persista a divergência de notas, outra banca composta por três professores dará a nota final do participante. Até o exame anterior, a margem para discordância era 300 pontos.

A previsão do Inep é que o corretores avaliem, no máximo, 100 redações por dia. Luiz Cláudio Costa ressaltou que os corretores serão supervisionados durante todo processo de correção das redações para garantir a qualidade da avaliação.

O avaliador que não corresponder ao padrão exigido pelo Inep poderá ser dispensado das correções. “Nós criamos um fluxo que vai dar muita segurança ao estudante”, assegurou Costa. A redação é digitalizada em Brasília pela organizadora do exame e será distribuída online aos corretores localizados em todo o país.