Publicidade
Cotidiano
Corte de gastos

José Melo anunciará na terça-feira terceiro pacote anticrise de sua gestão

Nova reforma administrativa que será implementada pelo Governo do Amazonas para se adequar à queda nas receitas provocada pela crise econômica nacional prevê medidas como a fusão de secretarias 12/05/2016 às 05:30 - Atualizado em 12/05/2016 às 20:50
Show melo
Governador José Melo está se reunindo, durante a semana, com cada um dos secretários estaduais para discutir propostas de corte de gastos
Aristide Furtado Manaus (AM)

O governador José Melo marcou para a próxima terça-feira (17) o anúncio do novo pacote de corte de gastos para fazer frente à queda da receita do Estado provocada pela crise econômica nacional e suas consequências no Pólo Industrial de Manaus (PIM), principal fonte de arrecadação do governo amazonense.

A informação foi dada ontem dada ontem pelo secretário Estado de Administração e Gestão (Sead), Evandro Melo. Durante a semana, o governador recebeu cada um dos secretários estaduais para discutir as medidas que serão adotadas. Na segunda-feira, o titular da pasta de Comunicação, Amaral Augusto informou para  A CRÍTICA que haverá fusões de secretarias com atividades semelhantes.

Nos primeiros quatro meses deste ano, o governo amargou redução de  R$ 323,8 milhões em sua arrecadação em relação ao mesmo período de 2015. Situação que agrava ainda mais a situação financeira do Estado que fechou ano passado com uma perda de R$ 1,3 bilhão se comparado ao exercício anterior.

Por conta da crise econômica, o governo Melo já realizou duas reformas administrativas no ano passado.  A primeira foi aprovada pela Assembleia Legislativa  em 5 de março. E a segunda no dia  6 de outubro. De acordo com informações da Secretaria Estadual de Comunicação, esses ajustes renderam uma economia de  R$ 500 milhões. Para chegar a esse número houve a redução de cerca de  mil cargos comissionados, renegociação de valores dos contratos em torno de  20% a 30% do valor original,  fusão de secretarias e extinção de outras. O governo também implementou campanha para aumentar a arrecadação.