Publicidade
Cotidiano
Notícias

Mensalão: julgamento pode completar três meses em novembro

Nesta fase final de julgamento surgem duas discussões imediatas, uma quanto ao encerramento dos trabalhos, em decorrência da viagem a tratamento de saúde do ministro Joaquim Barbosa e outra sobre  a forma como os réus irão cumprir a sentença. 19/10/2012 às 19:55
Show 1
Ministros do Supremo devem definir conclusão do julgamento na próxima semana
acritica.com ---

No próximo dia 2 de novembro o “processo do Mensalão”, poderá completar três meses de julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF), caso não se encerre  os trabalhos ainda nesta terceira semana de outubro. A corte iniciou a leitura das sentenças sobre os 38 réus no dia 2 de agosto.  

O ministro-relator Joaquim Barbosa crer na conclusão da ação para a próxima semana . No entanto, o ministro-decano da Corte, Celso de Mello acredita que o julgamento encerrará em novembro, pois é provável que a Corte suspensa os trabalhos no periodo em que o ministro-relator  se ausente para tratamento de saúde na Alemanha, e que retome os trabalhos após a volta dele no dia 5 de novembro.

O “Escândalo do Mensalão” surgiu em 2005, no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Se caracterizava por uma  a estratégia de financiamento ilegal a parlamentares do Congresso em troca de apoio político ao governo do ex-presidente Luiz  Inácio Lula da Silva. 

O processo possui 38 réus, entre  políticos, ex-ministros,  dirigentes de partido e antigos e atuais deputados  federais.  Na Corte Suprema, o processo é identificado como Ação Penal 470. Os 38 envolvidos são:  Núcleo Político: José Dirceu , José Genoino, Delúbio Soares. Núcleo Publicitário: Marcos Valério, Zilmar Fernandes Silva, Ramon Hollerbarch Cardoso, Cristiano Paz, Duda Mendonça, Rogério Tolentino, Simone Vasconcelos, Geiza Dias dos Santos e Luiz  Gushiken*. Núcleo Financeiro:  Kátia Rabelo, Henrique Pizzolato, José Roberto Salgado, Vinícius Samarani, Ayanna Tenório, Torres de Jesus,  Enivaldo Quadrado, Breno Fischberg, Carlos Alberto  Quaglia.  Parlamentares e aliados  que eram beneficiados pelo esquema:  João Paulo Cunha , Paulo Rocha , Anita Leocádia Pereira da Costa, Professor  Luizinho, João Magno, Pedro Correa, Paulo Henry, João Cláudio Genu, Anderson Adauto Pereira, José Luiz Alves, José Rodrigues Borba, Valdemar  da Costa Neto, Jacinto Lamas*, Antonio Lamas*, Bispo Rodrigues, Roberto  Jefferson , Emerson Palmieri, Romeu Ferreira Queiroz.  Obs: *Absolvição para: Luiz Gushiken e Antonio Lamas,  a pedido do Ministério Público Federal e Jacinto Lamas, a pedido do Procurador-Geral da República.     

O julgamento iniciou  dia 2 de agosto ( uma quinta-feira) com a leitura do relatório do caso pelo ministro-relator Joaquim Barbosa . Seguido depois ( sexta-feira 3), pela  acusação do Procurador- Geral da República  Roberto Gurgel  que pediu a condenação dos réus.

No dia 7 de  foi a vez dos advogados de defesa dos 38 réus iniciarem suas sustentações orais, para em seguida os 11 ministros  começarem a leitura de seus votos e o anúncio de suas sentenças aos réus:  absolvição ou condenação

Os 38 réus são acusados de 7 crimes:  1º . Formação de Quadrilha, 2º Corrupção Ativa 3º Corrupção Passiva,  4º Peculato,  5º Evasão de Divisas, 6º lavagem de Dinheiro, 7º Gestão Fraudulenta.