Publicidade
Cotidiano
Notícias

Ministro da Fazenda não comenta artigo que sugere demissão da equipe econômica

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, evitou comentar hoje (7) artigo da revista britânica The Economist, que sugere que a presidenta Dilma Rousseff deveria demiti-lo. 07/12/2012 às 09:31
Show 1
Ministro apresenta à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) a proposta do Governo Federal que reduz para 4% e unifica nacionalmente as alíquotas interestaduais do ICMS
Daniel Lima e Mariana Tokarnia* /Agência Brasil ---

 O ministro da Fazenda, Guido Mantega, evitou comentar hoje (7) artigo da revista britânica The Economist, que sugere que a presidenta Dilma Rousseff deveria demiti-lo.


Na avaliação da revista, se a presidenta for realmente pragmática – como insiste em dizer que é, deveria demitir Mantega. O artigo aponta que as previsões de Mantega, com excesso de otimismo, têm levado à perda de confiança de investidores e sugere que a presidenta troque a atual equipe econômica para recuperar a confiança perdida.


Hoje, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, rebateu as críticas da revista. Para ele, o Brasil está na direção correta de “forte crescimento, que pode ser comprovado pelos indicadores de investimento no país”. “No dia em que a Economist nomear ministro no Brasil, deixaremos de ser uma República Federativa”, afirmou Pimental. Ele acrescentou que em 2013, o PIB brasileiro estará “certamente acima da média mundial”.


O artigo sobre o fraco desempenho do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, no terceiro trimestre, observa que o Banco Central poderá se sentir tentado a reagir à baixa expansão com outro corte de juros, mas afirma que "isso seria um erro". Para a revista, apesar dos esforços crescentes de estímulo, a “criatura moribunda” [o PIB] cresceu apenas 0,6% no terceiro trimestre, metade do número projetado por Mantega.


Para a revista, em vez de cortar os juros, o governo deveria redobrar esforços para reduzir o custo Brasil, deixando o "espírito animal" do setor privado aflorar.