Publicidade
Cotidiano
Cotidiano, Infraestrutura

Moradores de bairro na Zona Leste de Manaus reclamam de trabalhos mal feitos

Chuvas registradas na cidade nos últimos dias teriam contribuído para agravar problemas estruturais no local 20/01/2012 às 15:32
Show 1
Obras na rua Prosperidade deveriam interligar a via com uma área de fundo de vale
Síntia Maciel Manaus

Moradores das ruas Prosperidade e São Paulo, localizadas no bairro Nova Vitória, Zona Leste de Manaus, reclamam da não conclusão das obras de infra estrutura nas duas vias, realizadas por uma empresa terceirizada pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinf) há pouco mais de seis meses.

De acordo com o soldador Amélio Pinheiro, 51, há nove anos morador do local, as obras de melhorias realizadas na rua Prosperidade deveriam contemplar sarjeta, asfalto, bueiro além de uma ligação com uma área de fundo de vale, o que não ocorreu.

“Jogaram um asfalto que não adiantou de muita coisa, pois com as últimas chuvas ele já está começando a sumir. As sarjetas dependendo do volume de águas acabam arrebentando, porque não são seguras”, reclama o morador.

Segundo ele, a dona de casa Marília Fernandes, 19, e a diarista Maria do Socorro Castro, 37, as chuvas registradas nos últimos dias vem agravando o problema.     

Moradoras da rua São Paulo elas reclama que na referida via foi erguido apenas um bueiro, cujo diâmetro – aproximadamente 30 centímetros -, não é suficiente para conter a vazão das água em dias chuvosos. As residências se encontram abaixo do nível da rua o que aumenta ainda mais a possibilidade de alagação no local

“Estamos correndo riscos aqui, pois toda a água das ruas de cima do bairro descem para cá e apenas um bueiro não é suficiente para receber todo o volume de água”, observa Marília.

Ainda de acordo com Amélio e os demais moradores da área, as obras de estruturação da área estavam sendo custeadas com verba federal.

"Algumas áreas daqui receberam um trabalho decente, só aqui neste trecho que não fizeram um trabalho decente", observou.  

O portal acrítica.com tentou contato com a assessoria de comunicação da Seinf pelos telefones 36xx-xx00 e 81xx-39xx, mas ninguém foi localizado para falar sobre o assunto.