Publicidade
Cotidiano
Notícias

Nada abala vendas de TVs no mercado brasileiro

Nem o terremoto no Japão nem as inundações na Tailândia brecaram o crescimento da empresa, que em 2011 ocupou o 3° lugar no mercado de TVs 15/04/2012 às 10:40
Show 1
Embalada pela demanda do mercado nacional, fábrica japonesa quer manter o ritmo de crescimento no PIM em 2012
Priscila Mesquita Manaus

Na última semana, a Sony, maior empresa de bens de consumo do Japão, anunciou que projeta um prejuízo líquido de 6,4 bilhões de dólares no ano fiscal que encerrou em março. Segundo a companhia, o terremoto ocorrido no Japão e a inundação na Tailândia (onde estão três fábricas da Sony e mais a produção de câmeras digitais) são algumas das razões para o quarto ano seguido “no vermelho”.  

O fraco desempenho global da empresa deve ser confirmado oficialmente no próximo dia 10. Enquanto isso não acontece, a Sony Brasil adianta que as catástrofes que aconteceram na Ásia não prejudicaram as operações em Manaus e as vendas no mercado brasileiro.

Em resposta ao jornal A Crítica, a quinta maior importadora do Polo Industrial de Manaus (PIM) informou que encerrou 2011 com uma performance positiva.

“Não houve impacto nas operações em nossa fábrica de Manaus e no mercado brasileiro em geral. Tivemos um crescimento de 65% em 2010 e, apesar de ainda não dispormos dos resultados finais do ano fiscal de 2011, acreditamos que eles serão altamente satisfatórios também”, respondeu o gerente geral de marketing da empresa, Carlos Paschoal.

Segundo o executivo, um dos fatores que ajudou a fábrica a ficar longe dos prejuízos foi o volume de peças estocadas, que permitiu o andamento da produção local. “Isso reforçou uma notícia muito importante para o nosso País: o Brasil é uma prioridade para a Sony hoje”, disse.

O Brasil, que até pouco tempo atrás era o 11° mercado internacional no mapa de negócios da Sony, já ocupa a quarta posição neste ranking estratégico. Ao todo, a companhia gera 3,5 mil empregos no País.

A fábrica de Manaus concentra a produção nacional de eletroeletrônicos da empresa, como televisores, câmeras digitais e equipamentos de áudio. 

Venda de TVs
Sem falar em números absolutos, o gerente geral de marketing afirma que a Sony Brasil triplicou sua venda de TVs em 2010 e “dobrou de tamanho” neste segmento no último ano. Como resultado, a empresa considera hoje que detém a terceira maior participação no mercado nacional de televisores.

Aposta em LED e LCD
De acordo com informações da Sony Brasil, foi o desempenho da empresa em 2011 que permitiu que ela chegasse ao 3° posto no mercado de TVs. E é neste segmento que a Sony continua apostando, para manter um “forte ritmo de crescimento” em 2012.

“Neste sentido, esperamos ainda aproveitar bastante este fenômeno da popularização da Internet TV em 2012 e o incremento do mercado de 3D”, antecipou Paschoal.

Segundo o gerente geral de marketing, toda a produção de TVs da marca em Manaus é voltada para modelos de LED e LCD. Apesar do crescimento das vendas desse tipo de aparelho no País, ele lembra que a maioria das famílias ainda não possui TV de tela plana em suas residências. “É importante pontuar que apenas 20% dos lares no Brasil possuem TV de tela plana hoje. Ou seja, ainda temos muito mercado para conquistar”, disse.

Vendas
Em 2011, foram vendidas 11 milhões de TVs com tecnologia LED e LCD no Brasil.

Aumento
O dado, divulgado pela Superintendência da Zona Franca, é 35,8% maior que o de 2010 e supera em 189% o volume vendido em 2009.

Guinada
Sem divulgar números absolutos, a Sony informa que seu desempenho nos últimos dois anos foi melhor que o do mercado em geral.